Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Sugira soluções para o handebol brasileiro e faça o trabalho de quem não fez

  • segunda-feira, 31 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • Sinceramente, eu fiquei impressionado com a repercussão do post sobre a atual conjuntura da confederação brasileira e do handebol brasileiro. Recebi centenas de visitas, alguns comentários, emails, mensagens de apoio no twitter e até algumas visitas ilustres como a do Advogado, ex-membro do COB e membro da Corte Arbitral do Esporte, Alberto Murray Neto.
     Este blog não é só sobre handebol! Eu aproveitei que o mundial estava acontecendo para escrever sobre o esporte que eu mais gosto e assim pegar prática e ritmo na escrita de posts diários.

    O objetivo do MIL POR CENTO é escrever sobre vários esportes olímpicos e sobre os acontecimentos bons ou ruins do mundo esportivo com um olhar crítico, contestador e com uma pitadinha de humor...
    Em um comentário, um leitor disse que eu tenho culpa, pois eu só apresentei os problemas sem sugerir soluções. Eu pensei, pensei e pensei e percebi que ele estava correto! Mas aí eu já fiquei com raiva novamente! Poxa, o cara tá lá, há SETE mandatos, tem o poder de controlar as verbas da confederação, tem todas as federações ao seu lado (pq foram elas que "pediram" para ele continuar) e eu, daqui da Irlanda, tenho que mandar soluções pra consertar o handebol no Brasil?

    Esportes olímpicos

    Aí eu pensei de novo e resolvi fazer melhor! Eu vou abrir o espaço para o debate! Pessoal, usem a área de comentários para sugerir mudanças para o handebol brasileiro. Quais ações, quais projetos, quais modelos de negócios seriam interessantes para dar um UP no handebol brasileiro? Usem a área de comentários e dêem a sua opinião, sempre com muito respeito e com boa vontade de respeitar a opinião do próximo e de ter a sua opinião respeitada!

    Ah, e outra coisa, se a CBHb quiser se manifestar, será bem vinda! O espaço é aberto e democrático. Seria ótimo ouvir o outro lado da história também. Principalmente sobre o patrocínio da Petrobras e quem será o próximo patrocinador do handebol, sobre a Liga Nacional com menos de 8 times, sobre 5 técnicos em 8 anos, sobre os SETE mandatos, sobre as seguidas derrotas para  a Argentina, sobre o diminuto número de jogadores brasileiros na Europa, sobre a diminuição do número de praticantes de handebol nas escolas...

    Vamos lá, quem começa?
    Continue lendo...

    Henrique Meirelles como presidente da Autoridade Pública Olímpica é ótimo para esporte brasileiro

  • domingo, 30 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • Como divulgado pela coluna Radar de Lauro Jardim e comentado pelo Blog do José Cruz e do Dr. Alberto Murray, o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles deverá ser empossado como  presidente da Autoridade  Pública Olímpica. Se esta indicação se confirmar, será uma vitória para os Jogos Olímpicos e um ponto mais do que positivo para a Presidente Dilma Rousseff. Henrique Meirelles é uma escolha técnica e não política. Assim espera-se que diminuiriam-se as chances de que conchavos políticos e favorecimentos ilícitos sejam  feitos usando os Jogos Olímpicos como pano de fundo. É mais uma humilhação para o Ministro do Esporte Orlando Silva  que só está no cargo por pressão de seu partido, e um aviso de sinal amarelo para  o presidente do COB Carlos Arthur Nunzan. Nessa, a Presidente Dilma mandou muito bem! Mas, quem é Henrique Meirelles?





    Henrique de Campos Meirelles é formado em engenharia civil pela Escola Politécnica da USP, fez mestrado em Administração na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Cursou o Advanced Management Program (AMP) na Harvard Business School em 1984 e recebeu um título honorário de doutor do Bryant College. É economista e executivo do setor financeiro brasileiro e internacional e atual ex-presidente do Banco Central.

    Henrique Meirelles, então presidente do Banco Central, discursa em Copenhagem na apresentação do Rio de Janeiro para ser sede das Olimpíadas de 2016

    O seu sucesso na eleição para Deputado Federal e o apoio do mercado financeiro internacional feizeram com que fosse indicado pelo presidente Lula para ocupar o cargo de presidente do Banco Central do Brasil. Como era filiado ao PSDB e tinha feito carreira em instituições financeiras internacionais, sua indicação recebeu grande oposição de políticos mais à esquerda, inclusive de filiados ao PT. Apesar disto, seu nome foi facilmente aprovado pelo Senado brasileiro sendo considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

    Gestão no Banco Central

    Iniciou sua gestão de presidente do Banco Central em um momento de crise econômica com o câmbio do dólar em valores próximos a R$ 4,00. Iniciou um gradativo aumento dos juros para tentar conter o avanço da inflação e segurar a cotação do dólar. Em seguida, a taxa de juros foi lentamente diminuída gerando pressões de todos os setores da sociedade para que a velocidade da redução dos juros fosse maior. Henrique Meirelles conseguiu suportar as pressões e sempre manteve o caráter técnico em suas decisões e nas ações do Banco Central.

    Autoridade Pública Olímpica

    Autoridade Pública Olímpica (APO) é um consórcio constituído pelos governos estadual e municipal que coordenará ações de planejamento e entrega de obras para a realização dos Jogos Olímpicos de 2016. A APO funciona como uma garantia oferecida pelo Brasil ao Comitê Olímpico Internacional (COI) e será composta por 484 cargos de confiança, ou seja, os contratados são indicados e não concursados. É um cargo muito importante pois todos os aportes financeiros devem passar pelo crivo da APO já que é dela a responsabilidade de coordenar essas ações.
    Continue lendo...

    França é bicampeã mundial de handebol e confirma favoritismo

    A seleção francesa conquistou de forma indiscutível o 22° Campeonato Mundial de Handebol. Em uma partida sensacional, realizada na Arena de Malmö, a França venceu a Dinamarca por 37 x 35 na prorrogação e assim conquista o seu quarto campeonato internacional seguido. Contando com uma grande exibição de Nikola Karabatic, MVP do campeonato, a equipe francesa esteve à frente do placar desde o começo do jogo e, apenas em um momento na prorrogação, permitiu que a equipe dinamarquesa tomasse a vantagem no jogo.


    A equipe dinamarquesa, comandada pelo excepcional Mikkel Hansen, conseguiu equilibrar o jogo e confirmou as expectativas de que era a única seleção que poderia dificultar o caminho da França rumo ao bicampeonato mundial.

    Superioridade francesa

    A grande verdade é que a França apenas confirmou o seu enorme favoritismo. Nenhuma seleção chegou próximo de superar a equipe francesa neste mundial. No empate contra a Espanha, na segunda fase,  e no tempo normal da decisão, a França sempre esteve na vantagem no placar e cedeu a igualdade. Outro aspecto a ser citado é que em nenhum momento em todo o campeonato a França esteve perdendo por mais de dois gols de diferença.


    Continuidade e experiência internacional

    O sucesso da equipe francesa não é apenas sorte ou coincidência: há causas claras e fáceis de serem identificadas. O técnico francês, Claude Onesta, está no comando desta seleção desde 2001, mostrando assim uma enorme continuidade no trabalho da comissão técnica. A equipe francesa é conhecida por todos os fãs do handebol: Omeyer, Karabatic, Fernandez, Gille, Luc Abalo, Michael Guigou, Didier Dinart são apenas algumas figurinhas carimbadas de uma seleção que está junta com a mesma base há mais de cinco anos. Os jogadores franceses jogam nas melhores equipes do mundo e a França conta com mais de 400 mil atletas de handebol segundo o técnico Onesta.
      


      


    Londres 2012

    Com o fim do campeonato mundial, as sete primeiras colocadas já estão classificadas para as Olimpíadas de Londres 2012: França, Dinamarca, Espanha, Suécia, Croácia, Islândia e Hungria. Haverá ainda o Pré-olímpico europeu e os Jogos Pan-Americanos que darão uma vaga para seus respectivos campeões. O Brasil deverá suar muito para poder ganhar da Argentina e, assim, poder jogar mais uma Olimpíada.
    Continue lendo...

    Imagem do dia - França é campeã do 22° Campeonato Mundial de Handebol


    Jogadores franceses celebram a conquista de mais um título mundial. Este é o quarto campeonato internacional consecutivo que a seleção francesa conquista. A vitória na final realizada hoje foi sobre a Dinamarca por 37 x 35. A 22ª edição do Campeonato Mundial de Handebol foi disputada na Suécia e o Brasil terminou a competição em 21°lugar.
    Continue lendo...

    Karabatic é eleito MVP. França recebe três de oito prêmios entre os melhores do mundial

    A Federação Internacional de Handebol divulgou hoje a seleção do campeonato e o prêmio de MVP (Most Valuable Player) da 22ª edição do Campeonato Mundial de Handebol. Segundo a federação, a escolha foi realizada por técnicos do órgão. Mais uma vez, a seleção francesa é destaque da competição com três entre os oito jogadores premiados.

    MVP - Nikola Karabatic (França) 


    Ponta esquerda: Harvard Tvedten (Noruega)


    Ponta direta: Vedran Zrnic (Croácia)


    Pivô: Bertrand Gille (França)


    Meia esquerda: Mikkel Hansen (Dinamarca)


    Central: Dalibor Doder (Suécia)


    Meia direita: Alexander Petersson (Islândia)


    Goleiro: Thierry Omeyer (França)


    Opinião do Blog

    Pessoalmente, acho que o Karabatic não foi o jogador mais importante desse campeonato. Não estou dizendo que ele não seja o melhor, mas não o MVP. Acredito que o Hansen foi mais importante para a Dinamarca ou o Simmonet para a Argentina. Penso que, como o mundial foi na Suécia, a IHF quis premiar um jogador suéco escolhendo Dalibor Doder como o melhor central. Novamente, não estou dzendo que ele não fez um bom campeonato, apenas acho que houve um arranjo para que todos pudessem ser agraciados.

    Entretanto, faltou espaço, a Espanha ficou sem nenhum jogador entre os premiados.
    Continue lendo...

    Documentário sobre Ayrton Senna vence festival de cinema nos Estados Unidos

    O documentário "Senna", dirigido pelo inglês Asif Kapadia, foi o grande vencedor do Festival de Sundance, realizado desde 1978 nos Estados Unidos. O evento é o maior festival de filmes independentes e documentários. O filme sobre o grande ídolo brasileiro da Fórmula 1 conquistou o Prêmio de World Cinema na categoria "Documentário".

    Brasileiro foi retratado em documentário bem recebido pelo público e crítica

    O diretor do longa, Asif Kapadia, ao receber o prêmio, se mostrou muito realizado com a premiação: “Isto é incrível, muito obrigado”, declarou. “Este festival tem restaurado minha fé nos festivais. É maravilhoso e isto (o prêmio) fechou com chave de ouro”, explicou Kapadia.

    O filme foi lançado no Brasil no fim do ano passado e será exibido ao mundo inteiro durante este ano. O filme mostra a trajetória de Ayrton Senna como piloto, que morreu vítima de um acidente pilotando um F-1, e também inclui cenas dos bastidores da principal categoria do automobilismo mundial.

    Confira o trailer!




    Continue lendo...

    Técnico da seleção francesa diz handebol é o esporte mais importante da França

  • sábado, 29 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • A seleção francesa disputa amanhã 30/01 a sua quarta final consecutiva de um campeonato internacional de handebol. Desde o começo da década passada o time francês está entre as melhores seleções do mundo.




    O Mil por Cento traduziu uma entrevista dada pelo técnico do selecionado, Claude Onesta, à revista World Handball e reproduzida no site oficial da Federação Internacional de Handebol.

    Técnico da seleção francesa de handebol Claude Onesta

    Essa entrevista explica um pouco dos motivos aos quais a França se tornou a maior potência do handebol mundial e o handebol, o maior esporte da França. O original pode ser lido aqui e os grifos em negrito são do Mil por Cento.

    “We don’t want this story to end”
    “Nós não queremos que essa história acabe!”

    Apesar de seus numerosos títulos nesses últimos anos, o técnico da seleção francesa Claude Onesta ainda consegue motivação para si mesmo e para o seu time – maior favorita também na Suécia. Ele é pai da tríplice coroa: Claude Onesta liderou o time francês na vitória nos Jogos Olímpicos (2008 em Pequim), no Campeonato Mundial (2009 na Croácia) e na medalha de ouro no Campeonato Europeu (2010 na Áustria). Antes do Campeonato Mundial na Suécia, a revista World Handball falou com Onesta, de 53 anos, que é treinador da seleção desde 2001 sucedendo o lendário Daniel Costantini. No Campeonato Mundial da Suécia, a França é novamente a grande favorita, apesar dos fortes adversários na primeira fase.

    Onesta é abraçado pelos seus comandados após mai uma vitória da França

    Seu time foi imbatível nos últimos campeonatos. Quão grandes são as expectativas na antes do Campeonato Mundial na Suécia

    Todos no time esperam pelo título, mas é complicado prever se nós poderemos nos tornar campeões do mundo novamente. Isso depende amplamente dos jogadores disponíveis para o campeonato sem lesões e, é claro, nós não somos o único time que quer ganhar o título. Em vista da grande quantidade de equipes de ponta no handebol internacional, pequenos detalhes vão decidir as partidas, mas, é claro, eu quero ser campeão do mundo também.

    Após todos os títulos que você e sua equipe ganharam, como se manter motivado para o Campeonato Mundial?

    Se você ama uma mulher que é muito legal, você não quer amá-la uma vez só, mas denovo e denovo. Se você ganha um título, você quer ter os mesmos sentimentos várias vezes, você quer se tornar cada vez melhor. Nós temos orgulho de nossa dominação no handebol internacional, mas respeitamos todos os adversários. Nós trabalhamos muito duro para isso e nosso maior desafio é vencer denovo e denovo. É fantástico trabalhar com esse time e nós temos experimentado a grande sensação que é uma cerimônia de premiação algumas vezes. Não queremos que essa história acabe e essa é a nossa maior motivação.

    Onesta comemora gol da França contra a Croácia

    A maioria dos seus jogadores joga em clubes de ponta na Europa. Isso faz tudo ser mais fácil pra você?

    É muito importante para todos os jogadores do time que eles joguem nos melhores clubes do mundo já eles enfrentam uma concorrência constante. Isto é melhor do que se eu tivesse apenas jogadores que são as principais estrelas de seus clubes, assim, eles precisam dar o seu 100% em todos os momentos. Então, todos eles aprenderam a assumirem responsabilidades e a enfrentarem jogadores de primeira classe já nos treinos. Com isso eles estão acostumados com a pressão o que é uma grande vantagem com em relação aos confrontos do Campeonato Mundial

    A população de seu país tem se tornado mais interessada pelo handebol desde as vitórias do seu time? Há mais jovens jogando handebol, agora?

    O handebol tem feito grande progresso ao longo dos últimos anos. Há 400 mil jogadores que pertencem ao esporte mais importante na França. A seleção é, agora, parte da cultura esportiva da França e o que é mais importante: Os franceses não gostam do time apenas por causa dos títulos, mas também por causa de nossa atitude amigável e de nossos valores sociais. É exatamente o oposto da atitude da nossa seleção de futebol durante a Copa do Mundo da África do Sul.

     
    Didier Dinart, Jerome Fernandez e Claude Onesta levantam o troféu de campeões do mundo

    Opinião do Blog

    O segredo do sucesso é claro! Claude Onesta é técnico da seleção francesa desde 2001. 11 anos de comando. É um trabalho de continuidade mesmo a França não conseguindo resultados tão expressivos na primeira metade da década passada (se é que ficar entre as 3 melhores seleções não é ser expressivo).

    Os jogadores franceses jogam nos melhores times do mundo contra os melhores jogadores do mundo. Essa é a melhor forma de ganhar a tão sonhada experiência internacional! Por que os brasileiros não conseguem ir para a Europa? Perguntem ao homem dos sete.
     E por fim, 400 mil! Quatrocentos mil atletas! O handebol se joga com 14 atletas, um bom elenco se faz com 20, 21. Na França, 400 mil pessoas praticam handebol! A população da França é de 62.616.488, isso dá 1 jogador de handebol para cada 156 habitantes. Seguindo a proporção, o Brasil deveria ter 1,2 milhão de jogadores de handebol! Como diz Capitão Nascimento: "Nunca serão!"
    Continue lendo...

    Aprenda a trolar o suado dinheiro da população em cinco pequenos passos

    O que é o troll? O Troll é um ser de umas lógicas totalmente absurdas que sempre paga para ver: ele joga a isca e espera a repercussão. Ele não se importa se o que diz é confiável ou não, cientificamente comprovável ou não, possivelmente realizável ou não. Tudo o que interessa é fazer o que para qualquer um seria impossível. O Troll Face é um meme que nasceu na internet no ano passado e ficou famoso pelas suas lógicas impossíveis!


    Me inspirei no Ñ.intendo para criar essa pequena e triste lógica troll


    Bem-vindo à escola Nuzman de orçamentos, planejamento e gerência de projetos!


    Seria muito cômico se não fosse totalmente trágico...
    Continue lendo...

    Quando o silêncio é a pior de todas as respostas possíveis

    A ESPN Brasil é um oásis no jornalismo esportivo na TV brasileira. Com opiniões fortes, imparciais e um jornalismo investigativo, a ESPN Brasil se mostra uma ótima alternativa para quem deseja acompanhar o esporte sem o ufanismo, as vistas grossas e o jogo de interesse apresentados pelas outras emissoras. 


     Ainda em 2009, na época da entrega do dossiê para a candidatura para sediar os jogos olímpicos de 2016, a ESPN produziu e exibiu o documentário Brasil Olímpico: Uma Candidatura Passada A Limpo. Tomo a liberdade de reproduzir uma parte desse documentário em que eu senti a vergonha alheia do senhor presidente do COB Carlos Arthur Nuzman. Vejam o vídeo e vocês vão entender o porquê!


    O silêncio do Sr. Nunzan é a melhor resposta para quem é acostumado a sempre se manter em silêncio! Até hoje, ele nunca se pronunciou para explicar ao TCU e à sociedade brasileira o motivo e o destino do aumento de 1000% do orçamento dos jogos Pan-Americanos Rio 2007. Fato este que serviu de inspiração para o nome deste blog.
    Continue lendo...

    Ferrari apresenta carro para a temporada 2011 da Fórmula 1

  • sexta-feira, 28 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • O modelo F150 é a tentativa da Ferrari de esquecer os erros cometidos pela equipe italiana no ano passado. Fernando Alonso era o favorito ao título de pilotos, mas por uma estratégia que se mostrou totalmente errada, perdeu o campeonato para Sebastian Vettel na última corrida. Méritos pra Vettel que se mostrou o melhor piloto durante toda a temporada.

    Felipe Massa e Fernando Alonso na apresentação do modelo F150 da marca italiana

    Um aspecto importante deve ser ressaltado nessa luta da Ferrari para levar um dos seus pilotos ao título: Felipe Massa. O piloto brasileiro terminou a temporada passada totalmente desacreditado e sofreu duras críticas no período de férias.

    "Ok... so... Fernando is faster than you"

    Na verdade, o piloto brasileiro não conseguiu se recuperar do baque de ter que deixar Fernando Alonso ultrapassá-lo no último GP da Alemanha. O resto da temporada, Felipe Massa correu para cumprir tabela. Hoje, Alonso leva vantagem apesar da Ferrari não mostrar isso abertamente. As primeiras etapas serão importantíssimas para se determinar o posicionamento da equipe e a situação de Felipe Massa.

    Apesar de apresentado, carro passará por evoluções até o GP do Bahrein no dia 13 de março

    Uma coisa é certa, dependendo dos resultados e do desempenho do piloto brasileiro, essa poderá ser a sua última temporada na equipe do cavalo rampante.
    Continue lendo...

    Estádio Mané Garrincha custará mais do que o Ninho de Pássaro e o Olímpico de Berlim

     O novo estádio Mané Garrincha que será construído em Brasília para os jogos da Copa 2014 custará R$ 700 milhões de acordo com a licitação que está em andamento. Valor alto, não é mesmo? Mas o que era ruim, ficará ainda pior, pois neste valor não está contabilizado o gramado, o sistema de iluminação, a cobertura, as cadeiras, o sistema de transmissão para a TV, dentre outros itens.

    Novo estádio Mané Garrincha

    Ou seja, custarão R$ 700 milhões apenas para se construir um esqueleto sem utilidade alguma. No final das contas, esses itens que faltam, vão encarecer a obra em quase R$ 400 milhões e o custo total passará de R$ 1,1 bilhão!
    • R$ 1,1 bilhão é mais do que os R$ 875 milhões que a presidente Dilma Rousseff liberou para as vítimas das enchentes na região serrana do Rio de Janeiro;
    • R$ 1,1 bilhão é  73% de todo o orçamento do ministério do esporte do ano passado;
    • R$ 1 bilhão seria o salário de 1690 atletas recebendo R$ 5 mil por mês durante 10 anos!
    Com R$ 1,1 bilhão de reais daria para pagar a construção do Estádio Olímpico de Pequim mais a reforma do Estádio Olímpico de Berlim e ainda sobrariam alguns trocados para serem gastos com os atletas do Distrito Federal que não tem patrocínio.

    Dois estádios pelo preço de um

    O Estádio Olímpico de Pequim, mais conhecido como Ninho de Pássaro, tem capacidade para 91.000 espectadores. Ele ganhou inúmeros prêmios internacionais de design e inovação, foi palco da festa de abertura e encerramento e das competições de atletismo dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008. É uma obra maravilhosa, mas que atualmente não passa de um elefante branco. E atentem que ele está em Pequim, cidade com população de 10 milhões de habitantes! Custo da obra prima: 423 milhões de dólares.



    Estádio Olímpico de Pequim custou 423 milhões de dólares e mesmo estando numa cidade com mais de 10 milhões de habitantes não é auto-sustentável

    O Estádio Olímpico de Berlim foi totalmente reformado para a Copa da Alemanha 2006. Construído inicialmente para as Olimpíadas de 1936, a reforma custou 150 milhões de euros e o transformou em um dos estádios mais modernos do mundo. Foi sede da final da Copa em 2006 e do Campeonato Mundial de Atletismo de 2009. É atualmente a casa do Hertha BSC Berlin, que disputa o campeonato alemão de futebol e do Berlin Thunder, um clube de futebol americano da NFL Europa.


    Estádio Olímpico de Berlim antes e após a reforma.

    Um detalhe adicional nesse debate é que o Estádio de Berlim foi construído em 1936 e a reforma custou 150 milhões de euros. O maracanã foi construído em 1950 e a reforma custará quase R$ 1 bilhão...

    Fazendo as contas
     
    Vamos usar a cotação de hoje, 28 de Janeiro de 2011 para fazer esse cálculo:
    • 150 milhões de euros    - 1 euro  = 2,2915. TOTAL: R$ 343, 725 milhões
    • 423 milhões de dólares - 1 dólar = 1,6750. TOTAL: R$ 708, 525 milhões
    TOTAL: 1.052,25 bilhão
                                                       Mané Garrincha: 1.100,00 bilhão 
                 
    Para finalizar, a população do Distrito Federal é de 2.606.885 habitantes e a renda média do último campeonato goiano (2010). foi de  R$ 70.779,55. Com esse total, o Estádio Mané Garrincha demoraria 14.128 anos para se pagar!
    Continue lendo...

    O handebol brasileiro regride enquanto conta até sete

  • quinta-feira, 27 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • A seleção brasileira de handebol encerrou a sua participação no 22° mundial da categoria na 21° colocação. Este é o pior resultado obtido desde o mundial de Portugal em 2003 quando o Brasil ficou na 16°colocação. Lembrando que o Brasil nunca ficou entre os doze primeiros que passam para a segunda fase do mundial. De 2003 pra cá, o Brasil jogou quatro mundiais, duas olimpíadas, dois Pan-Americanos e alguns jogos internacionais e mesmo assim o “time do rio Amazonas”, adjetivo dado pela Federação Internacional de Handebol, não evolui.

    Alguma coisa está errada com o handebol brasileiro e isso para quem acompanha a modalidade, infelizemente, não é uma constatação nova...

    Dos grandes aos pequenos detalhes

    Muitos podem pensar que por não ser uma modalidade do primeiro escalação como o futebol, vôlei ou basquete, o handebol não recebe aporte financeiro elevado. Isso é um erro. Aliás, a Confederação Brasileira de Handebol até rejeitou a prorrogação do patrocínio com a Petrobras e com isso perdeu R$ 2,3 milhões.
     Entretanto, o maior, mais sério, latente, gritante, vergonhoso e indiscutível problema do handebol brasileiro é que o atual presidente da Confederação Brasileira de Handebol está no cargo há SETE mandatos! Não, você não leu errado, são SETE! 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 mandatos! Idéias novas? Fôlego novo? Vontades novas? Desejo de expandir o handebol por todo o Brasil? Não! Apenas SETE mandatos! É de fazer inveja a qualquer ditador! Nem mesmo se o Brasil tivesse conquistado todos os títulos em todas as competições, isso não se justificaria! Na última eleição todos os COVARDES presidentes das federações estaduais, sim, TODOS de TODAS as federações pediram para que Manoel Luiz continuasse na presidência e, é claro, ele aceitou!

    Sim, dentre os 26 estados mais o DF, nenhum presidente de federação teve a capacidade, coragem e todos os outros adjetivos pertinentes para se candidatar à presidência da Confederação Brasileira de Handebol. O que é? Qual é o problema? Falta alguém? Ok, eu me candidato! Deixarei de ser blogueiro para tentar ser presidente da Confederação Brasileira de Handebol. Isso não se não houver uma 8ª tentativa, não é?

    Manoel Luiz atual ditador presidente da Confederação Brasileira de Handebol

     Essa continuidade toda não se reflete na continuidade do trabalho das comissões técnicas das seleções. Em oito anos a seleção brasileira masculina teve cinco técnicos, sendo dois espanhóis. A melhor colocação de uma seleção feminina em mundiais foi o 7º lugar em 2005 na Rússia com Alexandre Schnider como técnico e aí fica a dúvida: Porque ele não continuou no comando da seleção nos anos seguintes? Em 2007, o técnico foi o espanhol Juan Oliver Coronado e o Brasil alcançou apenas a 14ª posição. Retrocedemos...

    ERRATA: O técnico da seleção em 2005 já era  Juan Oliver Coronado. Alexandre Schnider saiu do comando da seleção após os Jogos Olímpicos de Atenas em 2004. Mesmo assim, houve quebra de um trabalho que vinha sendo bem realizado.

    Em SETE mandatos, o nosso presidente não conseguiu organizar uma liga nacional com mais de 8 equipes, não conseguiu que essa liga tivesse transmissão em canal aberto, não aproveitou o prestígio de Bruno Souza para popularizar o handebol na mídia, perdeu o patrocínio da Petrobras e fez com que o handebol deixasse de ser o esporte mais praticado nas escolas. Agora, o maior objetivo dele é fazer com que as nossas melhores atletas que jogam na Europa voltem para jogar no Brasil e assim treinar para o mundial que acontecerá aqui este ano e para as Olimpíadas de Londres 2012. Vamos retroceder mais ainda...

    E aliás, o Campeonato Mundial de Handebol será no Brasil este ano. Você sabia?

    Se você é fã e atleta de handebol, com certeza você sabe, mas e pra quem não é?  E para os patrocinadores, se é que temos, e para a mídia, e para o mundo? Estamos a menos de um ano do campeonato e você sabe de alguma coisa? Bom, pegando carona no mundial da Suécia, que tem um ótimo site oficial, eu resolvi buscar o site oficial do Mundial Feminino 2011! Mas não achei nem no Google!

    Mas como assim, Arnaldo, isso pode? Bom, se não tem no Google, então...

    Sim, leitor, não temos site oficial! Não temos logo oficial, não temos venda de ingressos, não temos nada! Sabemos que os jogos serão realizados em Santa Catarina e só!

    Tá, mas o nosso presidente por SETE mandatos pode argumentar: "Poxa, mas ainda faltam 11 meses para o campeonato". Bom, o próximo mundial masculino será na Espanha em 2013 e vc já pode conferir tudinho no site deles, aqui! Tá até traduzido para o português brasileiro! Sabe, é de dar vergonha....

    E aí eu resolvi ir no site da Confederação Brasileira de Handebol. Aquela mesma que ano passado teve R$ 5 milhões de reais para gastar. O nosso presidente por SETE mandatos não conseguiu fazer um site bonito, dinâmico, interativo e ainda tem mais essa: olhem a figura abaixo, retirada do próprio site da CBHb e tentem encontrar algo meio "diferente" nessa imagem. Se não conseguirem ver, cliquem na imagem para aumentá-la.

    Imagem retirada do site da Confederação Brasileira de Handebol

    Para quem percebeu, parabéns! Para quem não percebeu, eu conto: Este jogador de azul e amarelo da parte inferior da imagem é um jogador da SUÉCIA! Sim, da Suécia. Ou seja, se você for no site da Confederação Brasileira de Handebol e for na galeria de fotos, a imagem de abertura é de um jogador da Suécia! Será que o nosso presidente, em SETE mandatos, não percebeu isso?

    E pra terminar, eu resolvi visitar o blog da seleção! Claro, nessa época em que a grande forma de interação são os Blogs e o Twitter é lógico que a confederação é antenada nisso e quer sempre estar mais próxima dos fãs, da mídia e dos praticantes da modalidade, certo? Errado! No Twitter, eu tentei @CBHb e não deu certo. Depois tentei @Brasilhandebol e também não deu. Ainda restava o blog da seleção, lembram?

    Bom, podem esquecer, ele não é atualizado desde 10 de julho de 2008...

     Blog da seleção brasileira de handebol não é atualizado há quase três anos

    Tá, eu vou parar de escrever senão eu vou ficar com mais raiva do que eu já estou agora, mas não posso encerrar este post sem contar: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7! SETE!
    Continue lendo...

    Handebol brasileiro conquista primeira vitória no mundial na Suécia 2011

  • domingo, 23 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • A primeira rodada da segunda fase do 22° Campeonato Mundial de Handebol que está sendo realizado na Suécia foi marcada por bons jogos e pela primeira vitória da seleção brasileira na competição. O resultado positivo foi obtido conta a seleção do Bahrein pelo placar de 37 x 30 tendo como melhor jogador da partida o brasileiro Ales Silva. Ales marcou 5 gols com um impressionante aproveitamento de 100% dos arremessos efeturados. Hoje, o Brasil enfrenta o Chile pela disputa do 21° lugar na competição internacional.

    Chave principal

    Os 12 primeiros colocados na primeira fase jogaram pela segunda fase do torneio. Destaque para os jogos entre Alemanha 27 x 24 Islândia e Dinamarca 28 x 27 Polônia no melhor jogo dessa primeira rodada.

    Polonês Mariusz Zaremba tenta passar pela marcação do dinamarquês Mikkel Hansen

    A equipe francesa, favorita ao título, derrotou facilmente a seleção da Hungria e hoje joga contra a Noruega em busca de uma vaga nas semifinais da competição. A Argentina, sensação da primeira fase, não conseguiu um bom resultado jogando contra a Croácia e acabou perdendo por 36 x 18, depois de um começo arrasador da equipe croata que fez 19 x 6 no primeiro tempo.

    Brasil joga bem, mas continua repetindo mesmos erros

    A equipe brasileira, apesar da vitória, continuou apresentando os mesmos erros que marcaram a sua participação na primeira fase. Erros de passe e muitos gols de contra-ataque fizeram com que o Brasil levasse 30 gols da equipe do oriente médio. Entretanto, deve-se enfatizar a melhora no desempenho coletivo brasileiro e do aumento do aproveitamento brasileiro, chegando a 64% neste jogo.

    Escalte brasileiro na vitória sobre o Bahrein. (clique para aumentar)

    A seleção brasileira de handebol encerra a sua participação às 15:00h contra o Chile na arena de Lund, na Suécia.
    Continue lendo...

    Imagem do dia - São Paulo contrata Rivaldo por empréstimo até o final da temporada 2011


    Aos 38 anos, Rivaldo é a esperança da diretoria e dos torcedores tricolores de ser o camisa 10 que o time procurava. Mas será que com a idade avançada e com o apertado calendário brasileiro o pentacampeão do mundo vai conseguir repetir as boas performances de tempos atrás?
    Continue lendo...

    Handebol já tem ginásio quase pronto para as Olimpíadas de Londres 2012

  • sábado, 22 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • O torneio de handebol dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012 será realizado na Handball Arena. O ginásio contará com uma cobertura externa de cobre reciclado com 3000 m2. A utilização do cobre irá proporcionar uma aparência única, pois com o passar do tempo a cor do cobre irá se modificar.

    Os assentos já estão colocados e as cores seguem os motivos dos jogos de Londres 2012

    Os espectadores entrarão no ginário por um pátio que circunda toda a constução. Este pátio será envidraçado, o que permitirá aos visitantes do Parque Olímpico ver os jogos que estão ocorrendo e também iluminar a instalação durante a noite.

    Cobertura feita de cobre. Com o passar do tempo, devido a corrosão, a cor deve se alterar

    Durante os Jogos

    A Handball Arena será a sede da fase preliminar e das quartas de final da competição de Handebol durante os Jogos Olimpícos. As semifinais e a final acontecerão na Basketball Arena. A Handball Arena também abrigará as competições de Esgrima no Pentatlo Moderno.

    A instalação faz parte do Parque Olímpico

    A organização terá apenas 48 horas para deixar a Arena pronta para as competições de Esgrima após o término das competições de handebol. Isso inclui retirar o piso da quadra, instalar dez pistas de esgrima e a instalação de toda a estrutura de cronometragem e pontuação além dos placares eletrônicos para cada pista.

    Após os Jogos

    A Handball Arena será adatpada se transformando em uma arena multi-uso para o uso da comunidade, treinamento de altetas e eventos de pequeno e médio porte.Ela será capaz de atender a uma ampla variedade de esportes de quadra, como basquete, handebol, badminton, boxe, artes marciais, tênis de mesa, rugby de cadeira de rodas e vôlei. Incluirá também uma academia e um café para uso pela comunidade local.

    Construção e testes serão realizados ainda este ano

    A instalação de assentos retráteis fará com que a capacidade seja flexível indo até 6 mil lugares permitindo que a Handball Arena seja utilizada tanto para competições internacionais como para uso da comunidade. As áreas usadas pela imprensa e para instalações de informática serão transformadas em assentos extras para os expectadores. Os vestiários serão adaptados para serem mais acessíveis e utilitários para a comunidade.

    Além do handebol, a Handball Arena será palco da Esgrina

    A construção deverá estar finalizada e os eventos de testes realizados ainda este ano.

    Iluminação ecológicamente correta é dos trunfos da Handball Arena
    Continue lendo...

    Segunda fase do mundial de handebol tem início hoje com seis jogos

    Seis jogos marcam o início da segunda fase do 22° Campeonato Mundial de Handebol que está sendo disputado na Suécia. Contando com total favoritismo a equipe francesa, que tem dominado o handebol mundial nos últimos anos, enfrenta a seleção húngara. A Espanha, que conseguiu um heróico empate contra a França por 28 x 28 mesmo estando perdendo por 27 x 21, enfrenta a seleção da Noruega.

    Nikola Karabatic, um dos principais jogadores da França. Eleito o melhor do mundo em 2008;

    A Alemanha enfrenta a Islândia, que na primeira fase derrotou o Brasil facilmente por 34 x 26. A Croácia, que perdeu para a Dinamarca na primeira fase por 34 x 29, enfrenta o selecionado argentino, surpresa desta edição do mundial. Encerrando a primeira rodada da segunda fase, jogam Dinamarca contra a Polônia, em um jogo duríssimo para ambas as equipes, e os suecos, donos da casa, contra a forte seleção da Sérvia.

    President’s Cup

    A President’s Cup é o torneio de consolação que envolve as equipes que não se classificaram para a segunda fase e define as seleções que ficam entre a 13ª e a 24ª colocação. Hoje serão realizados seis jogos e a seleção brasileira enfrenta o Bahrein na disputa pelo 21° ou 22° lugar na classificação final da competição.
    Continue lendo...

    IHF diz que popularização do handebol no Brasil é fadada ao fracasso

  • sexta-feira, 21 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • A IHF - Federação Internacional de Handebol, publica em seu site oficial artigo em que afirma que o futebol atrapalha o desenvolvimento do handebol brasileiro e que isso ja era esperado por especialistas da área. A IHF também chama os jogadores brasileiros de "time do Rio Amazonas" e publica a afirmação do presidente da Confederação Brasileira de Handebol Manoel Luiz Oliveira dizendo que em breve o Brasil estará entre as equipes tops do handebol mundial.

    Atenção: O texto é uma tradução da notícia publicada no site da IHF. O original em inglês pode ser lido aqui!


    Brazil: Unbeaten on the beach – backlog at the hall

    Eles são imbatíveis quando podem jogar na praia. Os jogadores de handebol brasileiros são quase perfeitos lá. Não é a toa que, recentemente, eles ganharam duas vezes consecutivas o campeonato mundial. As coisas são diferentes quando o assunto é handebol de quadra, pelo menos no caso da maior competição internacional.

    Isso remete a 1958 na sua primeira tentativa de competir com os melhores do mundo. Em 1995 e 1997, 40 anos depois de sua primeira participação em Campeonatos Mundiais, e depois de uma época de ostracismo, veio a decepção. Em ambos os campeonatos o Brasil terminou nas últimas posições. Especialistas dizem que, de forma alguma foi uma surpresa. Como são fadados ao fracasso os esforços para promover o handebol num país de fanáticos por futebol.

    Há muito tempo, isso já se mostrou errado! De fato, o foco da imprensa nacional é nos jogadores de futebol da praia de Copacabana. E não é preciso dizer que isso deu ao handebol brasileiro tempos complicados no que diz respeito aos seus principais jogadores e ao desenvolvimento de jovens promessas. Mas o esporte progrediu nesses últimos 15 anos no sentido de que a seleção brasileira não deixou de participar de um único Campeonato Mundial desde 1995.


    Os brasileiros, mesmo que temporariamente, mantiveram a primeira posição no ranking Pan-Americano. “Nós temos trabalhado duro por anos para alcançar esse objetivo”, explica Renato Rui. Ele é um dos poucos brasileiros, que ganham a vida na Europa, precisamente, no Campeonato alemão, conhecido como Bundesliga. "E essa deve ser a nossa busca". Como muitos outros, ele sabe bem que o esporte deve ser bem sucedido para obter uma grande aceitação no país e isso é um problema.

    Seguindo as vitórias em 2006 e 2008 no Campeonato Pan-Americano, a equipe brasileira deu espaço ao seu principal rival, a Argentina, durante o campeonato continental ano passado que era classificatório para mundial na Suécia 2011. Foi uma grande surpresa quando o time favorito foi derrotado após a prorrogação em Santiago, apesar de ter terminado o primeiro tempo na frente. Conseqüentemente o time do Rio Amazonas tem apenas uma missão no Campeonato Mundial: “Nós queremos terminar o Mundial como a seleção número um das Américas”, afirmou Javier Cuesta, técnico da seleção brasileira.

    Javier Cuesta, atual técnico da seleção brasileira de handebol

    O espanhol de 63 de idade foi contratado para este propósito e, é claro, para assegurar a única vaga Pan-Americana para Londres 2012 durante a etapa de classificação continental, no próximo verão. A federação oferece todo o apoio possível para que esse objetivo seja alcançado. Manoel Luiz Oliveira, presidente da confederação brasileira e também o primeiro homem da confederação Pan-Americana, por sua vez, tem total confiança que, em breve, a sua seleção masculina deverá alcançar as primeiras posições no mundo, semelhante à bem-sucedidade equipe handebol de praia e a equipe feminina do país que é igualmente bem-sucedida. "Dado o grande entusiasmo, é apenas uma questão de tempo."

    Este tempo ainda está para chegar, já que, na Suécia, eles falharam na sua partida inicial contra a Áustria, uma equipe que não era considerada uma favorita no cenário internacional. Para é surpresa de todos, foi uma derrota convincente 24:34, segundo Renato Tupã e seus companheiros de equipe. Eles também perderam para a Islândia e Hungria. Observando os jogos que estão por vir, os brasileiros devem se preparar para a President’s Cup na segunda semana do campeonato. “Nos jogos do Campeonato Mundial realizados até então, nós jogamos muito pior do que poderíamos jogar” Explica o treinador Cuesta. “E como nós sabemos que podemos jogar mais, nós não vamos desistir.

    O ponta direita Renato Tupan Ruy que atualmente joga na Liga Alemã de handebol

    Nós ainda podemos ser o melhor time Pan-Americano. Nós vamos fazer o nosso melhor na President’s Cup também” Para isso, A Argentina deveria ser desclassificada após a fase preliminar. Entretanto, ganhando 3 pontos após 3 jogos até então, eles tem reais chances de passar para a fase final.

    Opinião

    O que eu achei interessante neste artigo foram os termos que a IHF utilizou para caracterizar os brasileiros: Jogadores de Copacabana e time do Rio Amazonas. Eu sinto muito discordar com o presidente da CBHb. Ainda estamos, pelo menos, 5 ou 10 anos atrasados em relação aos times tops europeus. Enquanto mudanças profundas não acontecerem no comando e nas ações do handebol brasileiro, vamos continuar atrasados e, como a IHF cita, vamos perder (se já não perdemos) o domínio Pan-Americano.
    Continue lendo...

    520 milhões de reais para o esporte olímpico brasileiro! É pouco ou quer mais?

    Será que o problema do esporte olímpico brasileiro é mesmo a falta de dinheiro ou patrocínio? Hoje, a cidade de São Caetano dispensou 720 atletas, muitos deles olímpicos, alegando que deveria fazer uma reestruturação no seu departamento de esportes.

    César Cielo, o ex-presidente Lula e os bonés com a marca dos Correios

    Entretanto, será que o problema de vivermos sempre entre as posições intermediárias está mesmo relacionado à falta de verbas públicas? Percebemos com o exemplo do handebol que o problema não é só esse, como pode ser visto aqui.


    Falando de dinheiro

    Pegando uma carona no post publicado no brilhante Blog do Cruz, apresento pra vocês a quantidade de dinheiro federal investido no esporte olímpico brasileiro. Vamos aos números

    1. - Mais de R$ 100 milhões das Loterias da Caixa repassados ao COB, em 2010;
    2. – R$ 266,9 milhões da Lei de Incentivo investidos no esporte olímpico entre 2007 e 2010, via confederações;
    3. – R$ 150 milhões/ano de sete estatais – Casa da Moeda, Infraero, Caixa Econômica,Petrobras, Eletrobrás, Banco do Brasil e Correios – para 21modalidades. Essas prestações de contas são auditadas?

    São valores que somados chegam a aproximadamente R$ 520 milhões de reais apenas em verbas públicas federais, sem contar verbas municipais, estaduais e os patrocínios da iniciativa privada.

    Repito: R$ 520 milhões para o esporte olímpico brasileiro!

    O colega Cruz (espero que eu possa chamá-lo assim), faz também três importantes questionamentos:

    1. - Que benefícios têm as confederações de Natação e Tênis com o patrocínio da Gol Linhas Aéreas?
    2. - Para que servem os patrocínios das estatais, se o Ministério do Esporte investirá R$11 milhões no treinamento olímpico?
    3. - Porque estas fortunas não são aplicadas, também, nas categorias menores, onde estão os atletas em formação?

    E eu adiciono mais duas

    1. – Esse dinheiro tem sido utilizado apenas e somente para desenvolver os atletas brasileiros, competições, treinamentos, alimentação, recuperação, tratamento médico e auxílio educacional?
    2. – Quais são as punições para possíveis desvios de conduta na utilização desse dinheiro?

    Opinião

    A Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016 estão nos dando a chance necessária para podermos desenvolver o esporte brasileiro. E não somente o esporte de alto nível, mas também o esporte verdadeiro que é aquele feito nas escolas, para a criança e para evitar problemas de saúde pública. Infelizmente, a cada dia que passa, sinto que estamos perdendo esse bonde. Falta pouco mais de três anos para a Copa e 5 para as Olimpíadas, ainda temos tempo, mas muito precisa ser feito...
    Continue lendo...
     
    Copyright (c) 2010 Blogger templates modificado por Kiko Andrade
    1000% é melhor visualizado utilizando : Mozzila Firefox