Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

O handebol brasileiro regride enquanto conta até sete

Publicado
  • quinta-feira, 27 de janeiro de 2011
  • por
  • Kiko Andrade
  • A seleção brasileira de handebol encerrou a sua participação no 22° mundial da categoria na 21° colocação. Este é o pior resultado obtido desde o mundial de Portugal em 2003 quando o Brasil ficou na 16°colocação. Lembrando que o Brasil nunca ficou entre os doze primeiros que passam para a segunda fase do mundial. De 2003 pra cá, o Brasil jogou quatro mundiais, duas olimpíadas, dois Pan-Americanos e alguns jogos internacionais e mesmo assim o “time do rio Amazonas”, adjetivo dado pela Federação Internacional de Handebol, não evolui.

    Alguma coisa está errada com o handebol brasileiro e isso para quem acompanha a modalidade, infelizemente, não é uma constatação nova...

    Dos grandes aos pequenos detalhes

    Muitos podem pensar que por não ser uma modalidade do primeiro escalação como o futebol, vôlei ou basquete, o handebol não recebe aporte financeiro elevado. Isso é um erro. Aliás, a Confederação Brasileira de Handebol até rejeitou a prorrogação do patrocínio com a Petrobras e com isso perdeu R$ 2,3 milhões.
     Entretanto, o maior, mais sério, latente, gritante, vergonhoso e indiscutível problema do handebol brasileiro é que o atual presidente da Confederação Brasileira de Handebol está no cargo há SETE mandatos! Não, você não leu errado, são SETE! 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 mandatos! Idéias novas? Fôlego novo? Vontades novas? Desejo de expandir o handebol por todo o Brasil? Não! Apenas SETE mandatos! É de fazer inveja a qualquer ditador! Nem mesmo se o Brasil tivesse conquistado todos os títulos em todas as competições, isso não se justificaria! Na última eleição todos os COVARDES presidentes das federações estaduais, sim, TODOS de TODAS as federações pediram para que Manoel Luiz continuasse na presidência e, é claro, ele aceitou!

    Sim, dentre os 26 estados mais o DF, nenhum presidente de federação teve a capacidade, coragem e todos os outros adjetivos pertinentes para se candidatar à presidência da Confederação Brasileira de Handebol. O que é? Qual é o problema? Falta alguém? Ok, eu me candidato! Deixarei de ser blogueiro para tentar ser presidente da Confederação Brasileira de Handebol. Isso não se não houver uma 8ª tentativa, não é?

    Manoel Luiz atual ditador presidente da Confederação Brasileira de Handebol

     Essa continuidade toda não se reflete na continuidade do trabalho das comissões técnicas das seleções. Em oito anos a seleção brasileira masculina teve cinco técnicos, sendo dois espanhóis. A melhor colocação de uma seleção feminina em mundiais foi o 7º lugar em 2005 na Rússia com Alexandre Schnider como técnico e aí fica a dúvida: Porque ele não continuou no comando da seleção nos anos seguintes? Em 2007, o técnico foi o espanhol Juan Oliver Coronado e o Brasil alcançou apenas a 14ª posição. Retrocedemos...

    ERRATA: O técnico da seleção em 2005 já era  Juan Oliver Coronado. Alexandre Schnider saiu do comando da seleção após os Jogos Olímpicos de Atenas em 2004. Mesmo assim, houve quebra de um trabalho que vinha sendo bem realizado.

    Em SETE mandatos, o nosso presidente não conseguiu organizar uma liga nacional com mais de 8 equipes, não conseguiu que essa liga tivesse transmissão em canal aberto, não aproveitou o prestígio de Bruno Souza para popularizar o handebol na mídia, perdeu o patrocínio da Petrobras e fez com que o handebol deixasse de ser o esporte mais praticado nas escolas. Agora, o maior objetivo dele é fazer com que as nossas melhores atletas que jogam na Europa voltem para jogar no Brasil e assim treinar para o mundial que acontecerá aqui este ano e para as Olimpíadas de Londres 2012. Vamos retroceder mais ainda...

    E aliás, o Campeonato Mundial de Handebol será no Brasil este ano. Você sabia?

    Se você é fã e atleta de handebol, com certeza você sabe, mas e pra quem não é?  E para os patrocinadores, se é que temos, e para a mídia, e para o mundo? Estamos a menos de um ano do campeonato e você sabe de alguma coisa? Bom, pegando carona no mundial da Suécia, que tem um ótimo site oficial, eu resolvi buscar o site oficial do Mundial Feminino 2011! Mas não achei nem no Google!

    Mas como assim, Arnaldo, isso pode? Bom, se não tem no Google, então...

    Sim, leitor, não temos site oficial! Não temos logo oficial, não temos venda de ingressos, não temos nada! Sabemos que os jogos serão realizados em Santa Catarina e só!

    Tá, mas o nosso presidente por SETE mandatos pode argumentar: "Poxa, mas ainda faltam 11 meses para o campeonato". Bom, o próximo mundial masculino será na Espanha em 2013 e vc já pode conferir tudinho no site deles, aqui! Tá até traduzido para o português brasileiro! Sabe, é de dar vergonha....

    E aí eu resolvi ir no site da Confederação Brasileira de Handebol. Aquela mesma que ano passado teve R$ 5 milhões de reais para gastar. O nosso presidente por SETE mandatos não conseguiu fazer um site bonito, dinâmico, interativo e ainda tem mais essa: olhem a figura abaixo, retirada do próprio site da CBHb e tentem encontrar algo meio "diferente" nessa imagem. Se não conseguirem ver, cliquem na imagem para aumentá-la.

    Imagem retirada do site da Confederação Brasileira de Handebol

    Para quem percebeu, parabéns! Para quem não percebeu, eu conto: Este jogador de azul e amarelo da parte inferior da imagem é um jogador da SUÉCIA! Sim, da Suécia. Ou seja, se você for no site da Confederação Brasileira de Handebol e for na galeria de fotos, a imagem de abertura é de um jogador da Suécia! Será que o nosso presidente, em SETE mandatos, não percebeu isso?

    E pra terminar, eu resolvi visitar o blog da seleção! Claro, nessa época em que a grande forma de interação são os Blogs e o Twitter é lógico que a confederação é antenada nisso e quer sempre estar mais próxima dos fãs, da mídia e dos praticantes da modalidade, certo? Errado! No Twitter, eu tentei @CBHb e não deu certo. Depois tentei @Brasilhandebol e também não deu. Ainda restava o blog da seleção, lembram?

    Bom, podem esquecer, ele não é atualizado desde 10 de julho de 2008...

     Blog da seleção brasileira de handebol não é atualizado há quase três anos

    Tá, eu vou parar de escrever senão eu vou ficar com mais raiva do que eu já estou agora, mas não posso encerrar este post sem contar: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7! SETE!

    42 Comentários:

    Anônimo

    concordo com o rompimento d contrato da petrobras, esse dinheiro não dava pra cobrir dez seleções, desde cadetes a adulto, e outra tendo que da exclusividade somente a petrobras, penso que a confederação esta no caminho certo quanto a procurar patrocinadores mais flexiveis e potenciais, que façam nosso esporte dar up na midia como voley etc...
    quanto a mudanças na diretoria da confederação, pode ser que de certo, mas quem quer esse cargo? e tem culhão pra isso hoje no Brasil?
    quanto a tecnicos de seleção,precisamos de competência já!!!!

    Luiz Gustavo

    Olá!

    Realmente é um absurdo o que estão fazendo com o handebol do Brasil.
    Não vemos nenhuma possibilidade de evolução do jeito que está.

    Mas só para fazer justiça, no mundial feminino da Rússia o Brasil obteve sua melhor colocação na modalidade na competição, sim com o técnico espanhol Juan Coronado.
    O Alexandre Scheider comandou a seleção até Atenas 2004.

    Salvem o Handebol Brasileiro!

    Anônimo

    Fica muito facil, ficar falando de treinadores... e dos jogadores nao tem culpa nenhuma nao? quantos arremessos cara-a-cara o brasil errou nos jogos do mundial, qtos erros de passes, qtos defesas os goleiros do brasil fizeram. Só do borges tentando fazer aquela bola por cima eu vi umas 8 erradas e o contra-ataque para empatar contra a Noruega, jogador bom nao erra na hora q nao pode, Chiuffa o que foi fazer no Mundial ? passear? errar ainda vai faz parte, arremessar na barriga do goleiro é tipico daquele cara q nao ta afim de fazer as coisas pra melhorar. Zeba teve 1000 propostas para ir embora do país depois das Olimpiadas pq nao foi? pq lá vai precisar treinar pois todo jogo é dificil aqui ele fica de passeio tem 3 jogos no ano e fica pesado é mais facil do que correr. Hoje ta facil ficar no Brasil ganhasse relativamente bem é comodo, pros argentinos tao afim de aprender e tao indo pra fora pra ganhar 500/1000 euros. o feminino nosso so melhorou pq acabou o handebol feminino no brasil e o masculino está no mesmo caminho. Falta de profissionalismo, falta de competencia (concorrencia) o Zeba nao tem culpa de fazer as mesmas coisas o problema é que nao tem um SB pra deixar ele no banco, uma pena o proximo meia direita q vem nem sei quem é, Julio e Zepan nao serao. certeza. CBHb tem culpa de muita coisa, mas todos tem a parcela de culpa, desde o presidente da CBHb como você q tá escrevendo o site, apresentar os problemas é facil, quero ver apontar soluções.

    Kiko Andrade

    Todos os comentários são válidos desde que mantenham o nível do debate. Há pessoas que concordam e que discordam e isso é natural na democracia. Eu só peço para que mantenham o nível nos comentários. Comentários ofensivos ou desrespeitosos serão moderados e não serão aceitos.

    Vamos manter o nível do debate!

    Obrigado!

    Dani Jóia

    Todos nos temos sim um parcial de culpa na vergonha que é nosso esporte hj,mas temos que nos mexer,TODOS,presidentes,técnicos,atletas,blogueiros ,fãs etc...
    Portanto a todos esses,CORAGEM E PERSONALIDADE para fazer o nosso handebol um esporte um pouco mais bem visto para todos.
    Não temos que colocar a culpa em ninguem,apontar pessoas,casos ocorridos ,ou seja lá o que for.
    Mudança Já!

    Atitude Galera não vamos ficar só aqui no blog,vamos levar adiante.

    Anônimo

    Algumas vezes achei que eu que sou crica demais... e assim como num passe de mágica, vejo uma matéria dessas...
    Realmente é muito fácil jogar a culpa em cima da falta de patrocinadores ou mídia, mas outros esportes já entenderam que esse caminho só é aberto qdo é tratado como negócio e não como carinho para o ego, pois o esporte tem que funcionar como um outdoor. Como uma empresa pode investir em uma equipe se a marca dela não
    aparece em lugar algum? ou porque mostrar um jogo na tv sem expectador pra "pagar" o horário?
    O que eu vejo no handebol hj, são jogos que acontecem sem divulgação, as vezes temos sorte de saber de um jogo ou outro pela boca dos próprios jogadores...clubes se arrastando para sobreviver, um monte de atletas com sua carreira encerrada precocemente por falta de lugar para jogar, uma liga nacional, que
    que não significa necessariamente uma competição com os melhores do Brasil e sim competição para os que podem pagar para viajar e falta de idéias.
    O que se pode esperar para o handebol?
    Por que será que alguns esportes evoluem? Outros se repaginam alguém já ouviu falar no NBB? Poxa esse é um exemplo muito bom do esporte falido para uma nova mentalidade.

    Qdo será que isso vai acontecer pro handebol e manter nossos atletas aqui em terras tupiniquins, abrir espaço para tantos técnicos que já existem e não ficaram sem clube, arquibancadas cheias, jogos em quantidade para os árbitros trabalharem, horário na tv....
    A nós resta acessar a internet e assistir ao vivo os melhores do mundo em tempo real.

    Sta. Internet!!! graças!!! aos clubes e estruturas q tornam isso possível, assim não ficamos carentes e ainda podemos ver os Brazucas vestindo outras cores.
    Parabéns!
    L Reis

    Anônimo

    Cada povo tem o rei que merece... vejo as pessoas falando do confederação das federações...mais é bom lembras que quem os perpetuou fomos nos mesmos...falo com autonomia...mais de dez anos tentando manter uma equipe jogando...sem olhar para o lado...sem tempo para pensar no futuro...hoje não trabalho mais com handebol. Agora percebo que o futuro virou passado... Mais tenho certeza que ainda temos tempo!!! E que tudo pode ser como um dia imaginávamos.

    Anônimo

    É ruim perceber que o nivel do nosso handebol espelha um pouco o nível dos envolvidos com este esporte. Dividir a culpa pela falta de gestão com atletas e clubes é não só uma grande piada como uma grande ignorancia. Isso no sentido de quem ignora a verdade ou desconhece. Todos nós falamos do volei quando queremos dar um bom exemplo e isso por que é claro que este esporte colhe os frutos de um planejamento. É claro também que por mais que a gente não ache o basquete grande coisa ele conta com a NBA toda hora na tv e tudo isso conta.
    Mas é claro que o problema é o que vem sendo levantado. 7 mandatos é muito até para um ditador e os frutos que colhemos são resultado deste projeto pessoal de uns poucos.
    Não existe projeto para o handebol Brasileiro a não ser o de manter o comando e isso se dá por uma simples razão; não existem federações e isso tudo não passa de um truque, uma armação. Ligue para a federação do Piauí para ver se atende e para muitas outras do Nordeste. Simplesmente os telefones são de vários lugares menos de uma Federação ou, o que eles chamam de federação esta no nome de um cara desconhecido que deve estar ganhando algum para votar e manter este jogo. Isso é lei e vai durar muito mas, muito mesmo. E por que o COB e o Ministério não fazem nada a respeito? por que não ha denuncia e por que 90% do esporte do Brasil é assim. Isso é Brasil Olimpico.
    Parabens ao Blog

    Anônimo

    Gente eu encontrei esta noticia da Folha de S. Paulo.Sera que vem mudanças.
    Sem verba da Petrobras, esporte até muda sede para se ajustar a nova lei.
    O handebol, que perdeu o patrocínio da estatal Petrobras, largou na frente entre as confederações olímpicas que se movimentam para adaptarem seus estatutos à medida provisória lançada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva anteontem.
    A confederação brasileira da modalidade já encaminhou a seu departamento jurídico um estudo para adaptar seu estatuto às orientações de governança previstas na medida provisória.
    Pela nova lei, recursos da Lei Piva, que destina 2% das verbas das loterias ao esporte, só serão repassados ao COB (Comitê Olímpico Brasileiro), ao comitê paraolímpico e às confederações que cumpram as cláusulas do contrato de desempenho proposto pelo governo.
    Entre outras exigências, o contrato de desempenho engloba a limitação de reeleições e a publicação dos balancetes no Diário Oficial.
    O presidente da confederação de handebol, Manoel Oliveira, já definiu que a sede da entidade será transferida de Aracaju para São Bernardo do Campo, em São Paulo.
    O município, onde Lula se projetou, poderá ser a primeira Cidade Esportiva, iniciativa que consta na medida provisória. A ideia do governo é que cidades incentivem modalidades e se tornem centros de referência.
    O governo federal bancará obras para que o município, com tradição no handebol, erga um CT e se firme como centro de excelência. A manutenção do centro ficará por conta da prefeitura, sob comando de Luis Marinho (PT).
    "Até meados de 2011, espero mudar para lá [São Bernardo]. Aliás, colocaremos isso de a sede ficar na Cidade Esportiva no estatuto, além da questão das reeleições", disse Oliveira à Folha.
    "A proposta da Petrobras para a continuidade do patrocínio passava pela lei de incentivos fiscais e também por uma ONG. Infelizmente, não foi possível um acordo", explicou Oliveira sobre o fim da parceria com a estatal.
    A confederação chegou a receber R$ 2,8 milhões anuais da Petrobras. Em 2009, foram R$ 2,3 milhões.
    Outras modalidades, como a canoagem, adiaram reformas no estatuto para, eventualmente, incorporar orientações do governo.
    "Várias orientações do governo federal já são hábito nosso", declarou João Tomasini, da canoagem. ""Nosso colégio eleitoral é amplo, os clubes votam. Há 119 eleitores possíveis", completou.
    A canoagem também deve ter sua Cidade Esportiva, em Caxias do Sul (RS).
    Roberto Gesta de Melo, da confederação de atletismo, já anunciou sua saída em 2013, quando completará 26 anos como presidente da CBAt.
    A Folha apurou que o Ministério do Esporte conversa com outras entidades sobre mudanças nos estatutos.
    Fonte: Folha de São Paulo
    CAROLINA ARAÚJO
    EDUARDO OHATA
    DE SÃO PAULO

    Anônimo

    Kiko.Parabens pelos temas apresentados mas acredito,que realmente precisamos dar uma chacoalhada no pessoal que dirige e pratica handebol. pois hoje temos varios meios de divulgar qualquer coisa, pois os meios de comunicação evoluiram muito,e se o pessoal que pratica handebol começar a divulgar mais a modalidade,a coisa começa a aparecer.Veja um exemplo:eu tenho hoje 60 anos e a 50 comecei a jogar futsal,portanto eu tinha 10 anos quando o futsal começou a se popularizar no Brasil,a 50anos atraz o grupo escolar,isto, era assim que chamavam-se as escolas de primeiro grau no Brasil,e pertenciam ao estado ,nesta escola a 50anos atraz foi construido o primeiro ginasio de esportes em uma escola do estado na minha cidade,e ai começamos a jogar futsal um esporte novo no Brasil.No ano passado a liga nacional de futsal teve pela primeira vez o patrocinio de uma empresa aerea barateando a locomoção das equipes participantes da liga 2010.Kiko so que o futsal e transmitido pelas radios desde 1963 ou 64.Hoje nos temos a internet que pode-se transmitir qualquer coisa,mas eu so consegui houvir um jogo de handebol pelo radio,apartir de 2009,Radio Brasil Sul de Londrina Pr,que transmite jogos da equipe da Unopar.Vou te dar um exemplo:algo que eu acho absurdo, nos temos Metodista,Unopar,Unoesc,Usc(S. Caetano)e Usc Caxias do Sul,todas estas equipes pertensem a universidades,todas elas tem cursos de jornalismo e de radio,e oque que esta garotada que gosta de handebol faz nestes cursos que não divulgam o esporte.O futebol e o futsal são transmitidos por radialista não são jornalistas, a mais de 50 anos.E este pessoal sai de porta em porta do comercio para buscar patrocinio afim de transmitir um jogo destas modalidades,tem alguem transmitindo handebol,tem alguem assistindo handebol e depois colocando nos twitter e face buc da vida,e guanhando dinheiro.Não vamos esperar 50anos para mostrar para as empresas que o handebol e um esporte que tem um publico e praticantes que alguns treinadores consideram de ELITE.Sera que bem divulgado não vai despertar a atensão.

    Evandro Morais

    Kiko, estava começando achar que eu era louco.
    No Programa Giro Esportivo, que apresento na Rádio Alvorada da Web (www.adioalvoradadaweb.com.br), eu praticamente falo de handebol diariamente. Fui atleta, árbitro de quadra, tenho o prazer de dizer que participei do início do handebol de areia em São Paulo como árbitro e organizador do Campeonato Paulista de Handebol de Areia e antes disso já arbitrava handebol na areia nas praias de Santos. Nessa época eu já percebia esse problema no handebol brasileiro.
    Quando foi lançado o projeto de melhoria no handebol com a vinda de técnicos estrangeiros aposto que todos que praticavam ou acompanhavam a modalidade esperavam que tal investimento fosse fazer com que o handebol chegasse ao mesmo nível que o voleibol chegou. O tempo foi passando e os resultados não foram alcaçados. O mais interesante disso é que a mentalidade também não mudou. Investimentos vieram, dinheiro apareceu e nada. O handebol continua limitado e com pouca visibilidade.
    O continuismo não é só um problema na Confederação. Nas Federações estaduais isso também acontece e, em certos casos, acho que até por mais tempo. Movimentos de renovação aparecem mas, por falta de credibilidade dos organizadores desses movimentos, não se concretizam e vão por água abaixo.
    O handebol de areia brasileiro, o melhor do mundo, é um esporte novo e também está nas mãos dos mesmos desde sua criação. O pior que as pessoas que ingressam nessa equipe de organizadores acabam aderindo ao esquema para poder viajar por conta da Confederação. Em São Paulo, quem realmente roeu o osso para o handebol de areia acontecer foi pisado, esquecido e dado com maçã podre. Os "espertos" estão com cargo na Confederação, quem sabe até ganhando dinheiro, e a modalidade não passou de um joguinho de praia. O lider do ranking brasileiro tem que vazer vaquinha para poder viajar e quando chega na etapa final do Circuito Brasileiro, realizado no Espírito Santo, tem que fazer vaquinha novamente para poder se alojar com dignidade. O Brasil é campeão mundial várias vezes, no masculino e no feminino, e quase ninguém sabe disso. O que parece é que a própria Confederação não que que ninguém saiba sobre o handebol. Profissionais que ajudaram a colocar o Brasil no patamar atual foram dispensados por não concordarem com o esquema e a coisa não foi esclarecida até hoje. Pelo jeito todo mundo esqueceu, mas eu não.
    Eu vou continuar fazendo meu trabalho de formiguinha. Mostrando e dando opinião sobre o que acontece, não só no handebol, mas no esporte amador brasileiro.
    O que o esprte brasileiro precisa é de seriedade.
    Um forte abraço.

    Obs.: O Programa Giro Esportivo vai ao ar de segunda à sexta, das 20h às 22h, com reprise no dia seguinte, das 9h às 11h, no site www.radioalvoradadaweb.com.br

    Kiko Andrade

    Obrigado por todos os comentários! Vamos continuar debatendo e apresentando idéias e nossas experiências sobre como é ruim a gestão do handebol brasileiro.

    Obrigado ao Evandro e ao seu programa de rádio que será divulgado no Mil Por Cento.

    Eu acho que eu usei essa matéria da folha para apresentar dados no post. Obrigado por compartilhar novamente conosco!

    No comando da NBB existem pessoas sérias e o suporte da Rede Globo. Não tem jeito, quando o projeto é bom, aparecem parceiros!

    Obrigado pelo comentário da nossa querida Dani Jóia. Seja sempre bem-vinda ao nosso espaço!

    O Ministério do Esporte não faz nada, pois quem é Ministro do Esporte também não é muito comprometido com o desenvolvimento do esporte brasileiro. o maior comprometimento dele é fugir dos debates e pressionar o seu partido para que ele continuasse no cargo.

    José Roberto Rosa Júnior

    Há a necessidade de irmos da indignação à ação. Acho que a internet nos reserva forças inexploradas nesse sentido. Fico feliz por encontrar finalmente um blog que me inspire não por concordar com todos os argumentos e com todas as saídas discutidas, mas porque me coloco do lado, assim como esse blog, dos que distoam, dos que não são ouvidos e fazem o handebol ainda ser uma paixão, bem ali, onde não se colocam holofotes, onde perdura o esforço incansável de garotos e garotas que encontram sentido praticando uma modalidade que lhes fazem mais felizes. Somássemos as desilusões e as críticas de todos ainda não teríamos a dimensão dos malefícios causados por pessoas tão pequeninas dirigindo o handebol... Como é que nos conformamos a assistir uma única partida que valha a pena o ano inteiro? Uma Liga Nacional tem a dimensão de um único jogo equilibrado... As mesmas equipes à frente, os mesmos atletas e ainda somos apaixonados. Dá para aceitar que o Pinheiros tenha ganho no masculino em todas as categorias no naipe masculino? Dá para aceitar que o mesmo Pinheiros e quem quer que esteja à frente dessa maneira, se contente em ser rei de um império tão medíocre?
    A esse propósito, lembro-me de uma consideração que fez a Dayane dos Santos as vésperas de um mundial quando um repórter perguntou-lhe a respeito de sua principal rival, que lesionada, não disputaria o campeonato.
    Sua resposta, resume um pouco do que é o espírito de quem também se emocionou ao ver lindos jogos no Mundial da Suécia, e espelha uma máxima que só quem está muito distante da realidade de quem compete, não pode alcançar...
    Não conseguirei reproduzir o que ela disse exatamente, mas resumo. Para ela, não estar disputando o Mundial ou qualquer outra competição com os melhores não era a mesma coisa. Quando se quer ganhar, se quer ganhar por ser o melhor entre os melhores, respeitando os companheiros e exigindo que eles também possam fazer o melhor.
    Isso provou a França e tantas outras equipes bem preparadas que carregam consigo não só uma estrutura voltada para além dos próprios umbigos mas que dividem a responsabilidade de expandirem ainda mais os limites do handebol mundial. Para eles, de alguma forma é preferível ganhar de quem sabe tanto quanto eu. E que o esforço que me garante no topo é o resultado de toda uma política de investimento, expansão, conhecimento e ousadia.
    Aqui, ainda se acha que ostentar o título de campeão, disputando com quem se disputa, é algo grandioso e justificador de empáfias absurdas. Aqui, vale a máxima de que se é rei caolho em terra de cegos.
    Congratulo-me com a sua luta. Ela é minha também. Ela é, pelo que tenho visto, de muitos outros, não ouvidos.
    Aproveito e digo que colocarei esse comentário no meu blog, indicando suas leituras.

    Leila

    Falar sempre foi a coisa mais fácil existente, o maior problema é que nós não vemos nada de perto e o difícil mesmo é fazer algo com relação a estes SETE MANDATOS dele.. Porque não sabemos quem vota, e qual são os nossos direitos como atleta. Muitas pessoas sonham em chegar a uma seleção, como eu, mas vejo agora que está cada dia mais difícil por não ter um projeto para a avaliação exata de cada jogadora e de suas qualidades, posso não ter o potencial suficiente pata estar lá, porém tem muitas pessoas que tem e que não vão por essa falta de oportunidade, porque com os poucos projetos e com a falta de verba direcionada a esse esporte fica muito mais complicado para os técnicos de cada categoria trabalhar e fazer destas avaliações mais concretas e objetivas nos campeonatos, dando o resultado esperado pela Confederação e pelo povo brasileiro. Isto que está acontecendo envolve muitas coisas, e gostaria de mudar isso e ver o Handebol crescer cada vez mais em nosso país, como também ver as mudanças na presidência.

    Kiko Andrade

    Muito obrigado, José, pelo seu comentário. Infelizmente eu fiquei alegre e triste em ver aquele jogo: alegre, pois mais uma vez eu pude ver o quão bonito, plástico, atrativo e maravilhoso é um jogo de handebol. Triste pq não podemos desfrutar disso aqui em nosso país. Infelizmente o nível do nosso handebol não é muito alto, mas mesmo assim eu não tiro o mérito das conquistas do Pinheiros. Concordo com você quando diz que deveriam haver mais e melhores clubes para a disputa, mas as conquistas são méritos do Pinheiros que não tem culpa da incompetência alheia.


    Leila, basta ver que no site da CBHb, na sessão novos talentos, não tem nada escrito lá. Não há um projeto de lapidação e descoberta de valores. Não há projeto de desevolvimento no esporte na base e nas escolas. Assim fica complicado. Sobre a questão das eleições, estou tentando fazer um post sobre isso. Obrigado pela visita.

    Anônimo

    Kiko, sou um jogador de handebol e atuo pela Seleção também(prefiro nao me identificar por enquanto). Concordo plenamente com todas as ideias expressas no seu texto e acho que deveríamos fazer algum tipo de protesto, só que mais formal. Estou disposto a fazer o máximo para mudar o handebol do Brasil e acho que você também está. Se trabalharmos juntos poderemos ir muito mais longe(ainda conheço muitos atletas que apoiariam essa campanha). Voce pode passar seu email para conversarmos melhor?
    Grande abraço e parabéns pela matéria!

    Kiko Andrade

    Olá, tudo bem? Feliz você que conseguiu chegar até a seleção. Infelizmente o meu nível técnico e algumas escolhas pessoais me impediram de chegar até lá. Podemos agir sim e cada um tem a sua participação. Eu com o blog, você com as denúncias e alguém com o comando.

    Se você quiser conversar sobre isso, o email do blog é blogmilporcento@gmail.com. Escreve lá e a gente se fala.

    AABB/SEMEL BAURU HANDEBOL FEMININO!!!

    KIKO!!! A EXPERIÊNCIA DE VIVENCIAR A SUA LUTA ATUAL VEM DE MUITO TEMPO, VOCÊ OPTOU POR ESCREVER E DENUNCIAR O QUE COM TODA CERTEZA TINHAMOS CARÊNCIA QUE ALGUÉM COM ATITUDE FIZESSE, EIS QUE SURGE NOSSO QUERIDO " KIKO " PARA EXPANDIR OS FATOS PELO MAIOR MEIO DE COMUNICAÇÃO ATUAL.

    VOCÊ SABE QUE NOSSAS BATALHAS PELO HANDEBOL VEM DE LONGE, ANTES UMA SIMPLES FORMA DE SE PRATICAR UM ESPORTE QUE NINGUÉM SABIA DEFENIR, RSRS !!! DEPOIS A PAIXÃO PELA COMPETIÇÃO E HOJE QUE O MAIOR NÚMERO DE CRIANÇAS TENHAM A OPORTUNIDADE DE PRATICAR UMA MODALIDADE APAIXONANTE. MAS QUE ELAS DIFERENTE DE NÓS TENHAM UM SUPORTE POLÍTICO RESPEITÁVEL.

    PENSO QUE DEVERIAMOS TER NOSSOS PRÓPRIOS EXEMPLOS DENTRO DE NOSSO TERRITÓRIO NACIONAL MAS FALANDO DE HANDEBOL "INFELIZ / MENTE" TEMOS QUE NOS PROSTRAR AOS EXEMPLOS INTERNACIONAIS MAIS UMA VEZ.

    ASSIM COMO NOSSA GERAÇÃO TEM PAGADO O ALTO PREÇO, PARA SE CHEGAR COM UMA MODALIDADE EM COMPETIÇÕES DE EXPRESSÃO MUNDIAL, SENDO AOS MENOS PARTICIPATIVA, ABRINDO PORTAS PARA INTERCAMBIOS, E QUE AQUELES QUE ESCOLHERAM ESTAR EM SEU PAÍS, TAMBÉM DERAM SEU MÁXIMO, MAIS POR AMOR E PAIXÃO AO QUE SE FAZ, DO QUE SENTIMENTO DE ABRAÇAR AQUELES QUE PERPETUAM NA TEORIA DE ESTAR MELHORANDO ALGUMA COISA.

    ACREDITO QUE O HANDEBOL BRASILEIRO CHEGA AO MESMO TEMPO QUE O EGITO E GRITAAAA!!! RENOVAÇÃO, AMPLIAÇÃO, POLÍTICA CONSISTENTE, PRECISAMOS MAIS DE AÇÃO DO QUE DE CABEÇAS PENSANTES. PENSAR E MANTER OS PÉS PARADOS NO MESMO LUGAR NÃO VAI REVERTER O PLACAR!!!

    SABEMOS DAQUELES QUE NÃO FALAM MAS TRABALHAM DIRETAMENTE NA URGÊNCIA QUE O HANDEBOL BRASILEIRO TEM EMERGÊNCIA ATUALMENTE BBBBASE, ALICERCE!!! EIS A HISTÓRIA ... HOUVE UM DIA UMA EQUIPE CHAMADA: GUARULHOS OU TALVEZ MAUA UNIVERSO NÃO ME RECORDO SE É JUNDIAÍ NÃO, NÃO FITO UNICEL OSASCO NÃO É HARBOS SANTO ANDRÉ HUMMMM MESC SÃO BERNARDO É MAIS ANTIGA MIRASSOL, ERA DO SUL GINÁSTICA NÃO TINHA NOME DE CLUBE FAMOSO CORINTIANS, ERA BURGUÊS HEBRAICA, NÃO PAINEIRAS NÃO ERA CAIPIRA AMERICANA, NÃO ME LEMBRO ERA TANTA EQUIPE E HOJE SÃO SETE NO MÁXIMO OITO!!! POW TA BOM EM SETE ANOS CHEGAMOS COM OITO... UMA POLÍTICA QUE FAZ COM QUE FEDERAÇÕES PERCAM CLUBES, PARA PARTICIPANTES NAS NOVAS SENSAÇÕES DO MOMENTO AS LIGAS REGIONAIS. SÃO MAIS BARATAS MENOS COMPETITIVAS, MAIS PERTO DE CASA E NOSSOS POLÍTICOS MUNICIPAIS ADORAM, MENOS CUSTOS SEMPRE SÃO BEM VINDOS!!!

    E AI QUE EU TE APOIO "KIKO", NÓS PRATICANTES E QUE SOMOS ERRADOS, NÓS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA E MUNICIPAIS É QUE ESTAMOS ERRADOS, NÃO É? O SUPORTE QUE NOS É DADOS É UM EXEMPLO DE COMO NÃO SE CONSEGUIR LEVAR UMA SIMPLES MODALIDADE PRA FRENTE!!!

    E OS MAIS OBSTINADOS E IDEALISTAS ACREDITAM NA POSSIBILIDADE QUE A NOVA GERAÇÃO POSSA VER UM HANDEBOL MELHOR, ALÉM DE LUTAR CONTRA A PRÓPRIA SELEÇÃO NATURAL PELO SEU LUGAR, ENTRE OUTRAS TANTAS MODALIDADES, PENSO QUE ELE DEVERIA MUDAR DE NOME DEIXAR ESSE TAL DE HAND E SE TRANSFORMAR NUMA VERSÃO MAIS VERDE AMARELA, TIPO TEMOS A PELADA DE FINAL DE SEMANA RSRS... POW !!! VAMOS DISPUTAR UM MUNDIAL NO BRASIL DE "GOL DE MÃO".



    M.A.T

    BEIJOS E VE APARECE POR BAURU!!!

    Guerra-Peixe

    Prezado Kiko,
    Pelo longo tempo destinado ao Handebol, mesmo trabalhando hoje quase que exclusivamente com o Handebol de Areia, me sinto na obrigação de participar dessa discussão.
    Li seu texto no dia que saiu. Como estava em início de ano letivo demorei muito para me posicionar. No fundo estava maturando. Mas hoje, me deparei com um texto que me levou a antecipar o posicionamento.
    Mesmo discordando de algumas coisas, respeito o que escreveu. Entendo como atitude corajosa e de valor tocar em assuntos tão controversos. O Handebol e o sistema de eleição para a Confederação Brasileira de Handebol não são assuntos para qualquer um. Suas ideias foram pontuadas e, doa a quem doer, você está no seu pleno direito de cidadão.
    Vivemos num país livre e democrático. Podemos escrever o que quisermos, mas como foi proposto por você, devemos manter o nível do debate e respeitar posições alheias. Dessa forma, venho solicitar que no lugar de cortar timidamente a palavra ditador, você exclua. Essa é uma palavra extremamente ofensiva para quem passou por períodos que queremos esquecer e não é justa com a pessoa afável que é Manuel Luiz. Também não concordo com o uso da palavra COVARDE para presidentes de federações de handebol. Discordar de posicionamentos desses senhores é um dever, mas ofender vai uma distância.
    Voltando ao presidente. Podemos discordar por ele estar à frente da CBHb e também do tempo que ele está dirigindo a instituição. Mas, não podemos negar que todas as eleições foram democráticas. Todos nós conhecemos os vícios existentes em todo o sistema desportivo do Brasil, mas será o Manuel o culpado? Se o sistema deixa livre a possibilidade de reeleição e os presidentes votam nele, ele é o culpado? Se eu ou você não nos candidatamos, ele é culpado? Em algumas dessas eleições, houve quem quisesse concorrer, no final votaram em Manuel. O sistema permitiu e permite. Manuel é culpado? Coaraci é culpado? O coreano da luta é culpado? O Gesta é culpado?
    Pensando de outra forma, perguntaria: essa é a melhor maneira de gerir um desporto? Se não é para presidir um país, é certo que não seja para dirigir uma instituição desportiva. Mas estamos falando de instituições de naturezas diferentes. Federação e confederação são instituições particulares, não são públicas.
    Não seria o caso de pensarmos que essa situação está proporcionalmente ligada ao nível da nossa participação? Somente pessoas que vivem o Handebol poderiam mudar todo esse modelo. Mas não pode ser na “marra”. Não vai ser com papo furado. Sabe o motivo? Se mudarem na “marra”, daqui a 20 anos estaremos discutindo novamente a saída do presidente que substituiu Manuel.
    Seu texto tem uma boa contribuição a dar para a modalidade e se aprofundado para todo o sistema desportivo. Devemos debruçar e discutir. Mas discutir de cara aberta. Exemplo: Folhas, Diogo e outros escreveram e colocaram os nomes. Esse é o jogo democrático.
    Grato pelo espaço e forte abraço.

    Guerra-Peixe

    Ao Senhor Evandro Morais (1ª parte)
    Realmente estava demorando para o Handebol de Areia entrar nesse imbróglio. Mas vamos ajudar ao Sr. Evandro Morais a entender algumas coisas e esperar que ele responda outras.
    Sabemos que seu problema é local e se chama Paulo Roberto Martins. Quero lhe informar que ele não faz parte da seleção. Não faz mais parte do “esquema” como foi citado pelo senhor. Não por incompetência, mas por impossibilidade mesmo. Olha, isso faz tempo... Também não esteve à frente do Estadual de Handebol de Areia em 2010, o que, aqui para nós, deve ter sido decisivo no acanhamento da competição. O senhor que acompanha tudo deve ter presenciado. Ou não?
    O senhor cita a equipe primeira do Ranking como tendo que fazer “vaquinha” para ficar dignamente. O senhor tem plena razão. No nosso contrato com a Prefeitura de Vila Velha estava o oferecimento de alojamentos dignos. Algumas equipes, como São Vicente, não conseguiram ficar. Foi uma falha que tentaremos corrigir para o próximo ano. Penso que nem vai ser preciso, pois segundo os dirigentes da nobilíssima cidade, São Vicente vai pedir o sediamento da final do Circuito de 2011/2012. Tudo vai ser uma maravilha, não tenho dúvidas. Ainda mais com o seu apoio e trabalho incansável.
    Como conhecedor profundo da modalidade o senhor sabe que essa equipe (São Vicente) está em primeiro lugar, por ter aquele mesmo, Paulo Roberto Martins, que o senhor tanto abomina, montado uma seleção em 2009 com o nome de São Vicente/Metodista. Também é de seu conhecimento, até pela excelência do seu trabalho na modalidade, que o Handebol de Areia é amador e ainda não tem verbas próprias. Essa é a razão da vaquinha que ainda vai perdurar por alguns anos. Ou o senhor acha que na maior parte do esporte brasileiro se faz diferente? Existem projetos de melhorias, mas sou reticente em achar que vai melhorar tudo para todos. Vivemos num país pobre, com problemas graves em educação e saúde, temos que entender que existem prioridades além dos desportos. O senhor faz esporte amador todos os dias e conhece isso melhor do que todos nós. Acredito que o senhor concorde.
    Quanto ao seu trabalho pelo Handebol de Areia, conheço como entrevistador em programa esportivo de sua cidade. Se o senhor foi árbitro, se é maçã podre, se roeu osso ou se foi deixado de lado pelas pessoas que trabalhavam na modalidade em São Paulo, isso é um problema local. Ou não? Agora, por gentileza, responda umas perguntas: Quando solicitado pelo senhor, alguém da seleção brasileira negou-se a participar do seu programa? Fomos indelicados com a sua pessoa? Seus sorrisos, tratamento amistoso e boa conversa, eram falsos? Naquela época o senhor já pensava tudo isso e não temos dúvidas. Portanto, qual o motivo que o fez encaminhar perguntas mornas e que nada indicavam esse seu decontentamento? Não seria mais adequado ser verdadeiro, dando oportunidade aos que você agora ataca de responder seus questionamentos e muitas acusações?

    Continua

    Guerra-Peixe

    Ao Senhor Evandro Morais (Parte 2)

    Nos 15 anos de Handebol de Areia no Brasil, no feminino tivemos quatro técnicos e no masculino dois. Os títulos: 1/1 Mundialito, 4/4 Pan-Americanos, 1/1 Sul-Americano, 1/3 Word Games e 2/4 Mundiais no masculino. No feminino são 1/2 Pan-Americanos, 1/1 Sul-Americano, 1/3 Word Games e 1/4 Mundiais. Como você pode ver temos resultados que justificam poucas mudanças.
    Aderir ao “esquema” para viajar (!!???). Algumas pessoas, normalmente os mais medíocres, entendem que estar em seleções se justifica por poder viajar. Esquecem o trabalho. Esquecem os deslocamentos. Esquecem 15 horas entre aeroportos e uma nova conexão. Esquecem o avião apertadinho para um cara de 2,04 m. Esquecem alimentação que não faz parte de sua cultura. Esquecem leviandades de pessoas ligadas às mídias. E vai esquecendo ou não sabendo... De minha parte, quando quero viajar pego a família e VIAJO! O “esquema” que conheço é trabalhar, jogar, assistir jogos, anotar, preparar vídeos, reunir, intermináveis sessões de vídeos, deslocar, aquecer, jogar e no outro dia repetir, muitas vezes sem dormir à noite. Isso tudo para estar entre os melhores e continuar, segundo a sua interpretação, fazendo um “joguinho de praia”.
    Quanto ao dinheiro, chega a ser ofensivo. Mas darei crédito aos anos que o senhor sofreu no sol apitando, arrumando quadras, formando equipes e colocando literalmente as mãos na areia. O sol deve ter queimado alguma coisa além de sua pele. Por essa ignomínia o senhor está perdoado.
    Fica faltando o senhor ser mais explícito sobre Profissionais que ajudaram a colocar o Brasil no patamar atual foram dispensados por não concordarem com o esquema e a coisa não foi esclarecida até hoje. Pelo jeito todo mundo esqueceu, mas eu não. Eu também estou curioso para saber. Não se esqueça.
    Esperamos que o senhor continue no seu trabalho de formiguinha (o gênero animal de maior sucesso na história terrestre), lembrando de qualidades fundamentais como: caráter, honestidade, intenções confessáveis, participação e empreendedorismo. Todas essas qualidades sabemos que o senhor têm de sobra, então não será problema encontrarmos uma formiga grande e forte, na transformação de “joguinho de praia” em um grande desporto de massa/competição.
    Até breve.

    Grato ao Kiko pela oportunidade de responder e participar do blog.

    Evandro Morais

    (continuação)
    Quando me refiro ao Handebol de Areia como mais um joguinho de praia, quero mostrar que mesmo com mais resultados expressivos que o Handebol de Quadra, você, o Stanley, o seu amigo, a Rossana e o Alex Dourado não conseguiram tirar o Handebol de Areia do bolso. Se o esporte não tem verba, a culpa também é de vocês. Vocês não conseguiram impor ao Homem dos Sete o respeito que um esporte campeão merece. Com o patrocínio da Petrobrás de aproximadamente R$ 2.400.000,00 por ano, é inadimissível concordar com o seu texto, na parte que o esporte amador está acostumado a não ter dinheiro, que isso vai perdurar por mais alguns anos. Se outros esporte são tratados assim por quem os dirige, vocês não deveriam aceitar que o Handebol de Areia tivesse esse tratamento. Será que a defesa da qualidade da prática do Handebol de Areia no Brasil poderia custar os cargos dos reclamentes? Pelo jeito sim, pois vocês que se dizem defensores da modalidade se calaram até agora e quando alguém levanta questionamentos sobre esse estilo de comando, sofre ataques querendo dizer que o rebelado não pensa por estar com os neurônios fritos. Realmente poderiam estar fritos se tivesse o mesmo tempo de modalidade que os dirigentes. Dirigentes este, que mesmo com a experiência e o AMOR a modalidade não fizeram esse botão desabrochar. É mais fácil ficar quieto, deixar as coisas como estão e continuar viajando para sustentar o próprio ego da modalidade, mesmo que fiquem 15 horas nos aeroportos e se espremam nas poltronas da classe econômica. Todas as vezes que viajei para fora do Brasil, viajei assim e adorei. Infelismente não consigo viajar para o exterior , pelo menos, uma vez por ano, com tudo pago.
    Referente ao sediamento da Final do Circuito Brasileiro de Handebol de Areia na cidade de São Vicente, eu disse ao Profº Leandro, que se ele precisasse do meu apoio na divulgação do evento eu o faria com muito prazer, mesmo pensando ser isso responsabilidade da Confederação, porque corre-se o risco de acontecer o mesmo que aconteceu no Espírito Santo. Como você mesmo disse, o alojamento não era responsabilidade da Confederação e sim da cidade sede. Culpar os outros por falhas na organização é muito mais fácil. Esse tipo de coisa seria resolvido facilmente se ao invés de gastar em torno de R$ 30.000,00 com uma reunião do Conselho, pelo menos 50% desse valor fosse investido em um evento como esse, pela Confederação. Nas etapas realizadas em Praia Grande o gasto deve ter sido bem menor, pois na época a diária nas Colônias de Férias, com pensão completa, girava em torno de R$ 35,00 por pessoa, a arena quem montava era a Associação Metroplolitana de Handebol e o que restava para a Confederação de mais pesado era a passagem para o Coordenador da competição e para o responsável pela arbitragem, já que a arbitragem sempre vinha participar de um curso ou reciclagem e não recebia para apitar a etapa. Eu mesmo participei de uma como árbitro e não recebi nada. Como se investe em torno de R$ 200.000,00 com a realização de um Campeonato Brasileiro de Handebol de Quadra, não seria muito investir em alojamento digno para os atletas que representam o que há de melhor no Handebol de Areia nacional.
    Por isso e algo mais, professor, mude de discurso. Amar o handebol, todos que o praticam ou que o seguem, amam. A diferença é que como praticantes e seguidores não podemos interferir diretamente na adnimistração do Handebol. O Handebol de Areia não é praticado apenas onde os membros da Comissão Técnica moram. Em São Paulo o Handebol de Areia não caiu, apenas não se forja mais os números do campeonato para poder ter muitas folhas no relatóro de análise anual e assim poder impressionar os dirigentes nacionais da modalidade.

    Evandro Morais

    (continuação)
    Para finalizar, você pode ficar tranquilo. Quando for convidado para participar de qualquer programa esportivo em que eu esteja envolvido, seja com apresentador ou com produtor, todas as vezes que for solicitada a sua participação ou de alguns atletas da seleção, nós vamos falar sobre a seleção ou sobre algum evento em que a seleção irá participar. A minha função como jornalista é apresentar a modalidade para o público e mostrar que ela é praticada no Brasil. Agora, quando eu tiver que fazer algum comentário ou questionamento sobre ela, eu usarei os veículos destinados a isso. O blog Mil Por Cento é um desses veículos. Acredito que todos que colocaram sua opinião tem alguma ligação com o esporte. Nenhum leigo escreveu. Muito diferente seria se eu levantasse esses questionamentos na televisão onde apenas uma parcela da audiência tem relação com o handebol. Roupa suja se lava em casa. O Handebol é muito maior que isso.
    Vou continuar com o meu trabalho de formiguinha saúva, aquela GRANDE e FORTE, como você mesmo disse. Sei que nunca vou conseguir agradar a todos, mas pelo menos vou continuar expressando meus pensamentos e interpretando os fatos que me são apresentados.

    Evandro Morais

    Parabéns Kiko.

    Parabéns por tocar na ferida do nosso esporte. Parabéns por alimentar a ira dos intocáveis do nosso esporte com suas palavras. Fiquei chocado com ferocidade da defesa do Homem dos Sete.
    O que me choca são as palavras de acomodação de um formador de opinião e técnico de uma seleção brasileira. Palavras de acomodação pela falta de dinheiro para o esporte amador. Palavras de conformismo e indiferença.
    Será que em suas aulas ou palestras ele prega essa opinião sobre o esporte amador? Será que ele incentiva seus alunos e atletas a não esperar grande coisa para o esporte amador brasileiro? Será que é por isso que o nosso esporte está assim? Será que todos os dirigentes pensam assim? Será que nós temos que pensar assim? Será que os atletas de alto nível devam pensar assim? Será que os atletas das categorias de base devam pensar assim? Será que os acadêmicos de Educação Física e Esporte devam pensar assim? Será que os investidores do esporte amador e do esporte olímpico devam pensar assim? Será que as empresas que gostariam de investir no marketing esportivo devam pensar assim? Será que os poucos torcedores que acompanham o esporte amador devam pensar assim? Será que os professores e técnicos que fazem o possível e o impossível para manter suas equipes esportivas devam pensar assim? Será que os jogadores da equipe de São Vicente, que fizeram "vaquinha" para poder se alojar dignamente no Espírito Santo, devam pensar assim?
    Eu estou pensando. Talvez por ter tomado muito sol na cabeça, ajudando o Handebol de Areia em São Paulo, eu não consiga enterder essa acomodação. Talvez por não ter que ficar 15 horas em aeroportos, esperando para ir à China, Espanha, Chile, com tudo pago, eu não consiga entender o espírito dessas palavras. Talvez por não ver nenhuma equipe da região sul do Brasil na Fase Final do Circuito Brasileiro de Handebol de Areia, eu não consiga entender.
    Romanticamente no reino animal, as sábias são as corujas e não as saúvas. Talvez o nosso papel nesse reino seja somente observar poucos comerem pescoço e arrotarem filé, enquanto isso para nós restam os fungos dessa banquete.
    A elite do esporte nacional não está nas quadras, nos campos ou nas pistas. Ela está nos gabinetes, sentados atrás das mesas, dando risadas de tudo isso.
    Mas como eu digo, não vou desistir. Pode até ser que eu não consiga ver os frutos maduros dessa luta, mas meu filho, com certeza, poderá se orgulhar e dizer para todos os seus amigos e companheiros de esporte que, uma dessas sementes germinadas foi seu pai que ajudou a plantar e regar.

    Kiko quero lhe pedir uma coisa. Coloque no final desse cometário um link com o pedido de desculpas do professor Ronaldo Pacheco no Youtube (http://www.youtube.com/watch?v=n9rcYyC90a0).

    Vou aproveitar as palavras do Professor Ronaldo Pacheco para pedir desculpas a todos os atores principais do esporte brasileiro, por vivenciar um total descaso de todos os dirigentes esportivos do Brasil e não ser capaz de mudar isso sozinho.

    Anônimo

    Olá KIko,parabéns por sua iniciativa... o Handebol precisa disso!
    Mas o que estamos fazendo? Tirando o brilho do nosso Handebol BI-CAMPEÃO MUNDIAL e CAMPEÃO DO WOrld GAMES 2009, fora Sulamericano ,PAN e Campeonatos Internacionais.
    O que se esta discutindo não é o HANDEBOL "INDOOR"? Não vamos apagar a estrela do BEACH HANDBALL só porque o HANDBALL "Indoor" esta sem brilho!!!
    Sou Atleta da seleção Brasileira de Beach Handball "ATUAL DONA DO MUNDO" e era um atleta do beach handball de São Paulo onde desde o inicio acompanhei um grande numero de equipes,que por menos qualidade tecnica que tinha, alcançaram um alto nível.
    Senhor Evandro não se esqueça que o "SENHOR" de que se esta referindo È BI-CAMPEÃO MUNDIAL e esta na modalidade muito antes de qualquer um de nós!
    ANTONIO HERMINIO GUERRA PEIXE o BEACH HANDBALL deve muito a ele!
    PAULO ROBERTO MARTINS o BEACH HANDBALL de SAO PAULO deve muito a ele!
    ALias todas equipes de São Paulo deve a PAULO ROBERTO MARTINS que lutou por varios anos pra fazer a modalidade funcionar em SAO PAULO,eu vi ele montar varias vezes com as proprias mãos as arenas e ja ajudei a montar também.
    SEnhor EVANDRO Sabemos da verdade e de todas as brigas de "EGO"que o senhor teve contra Paulinho, brigou tanto pela modalidade e a deixou "jogada ao léu". Onde estava o senhor quando SAO PAULO precisou do Campeonato PAulista? Estava em CAMPINAS?Nenhum dos Paulista viram o senhor! Paulistas o que houve?Se esquecem tão facil das coisas?SEjam justos...
    Esse "Senhor" que EVANDRO esta se referindo é ANTONIO HERMINIO GUERRA PEIXE não se esqueça que esse senhor tem nome e é respeitado por todos tecnicos do mundo do Handebol de areia.
    Gente vocês querem democracia?
    Olha só essa minha idéia... todos atletas com certeira da confederaçao poderia votar! Pela internet,ou ate mesmo mesmo,indo a federação a quao pertence e votando em um presidente.
    Olha só a DEMOCRACIA Ai , não somos nós que jogamos? Então se no futuro der algo errado como a POLITICA , seremos responsaveis pelos nossos ATOS.
    Adorei o SITE, Gente a "INDOOR" só esta passando por uma má fase, mas chegará lá com certeza... com mudanças? SEMPRE. Mas sabendo REspeitar todas as opiniões e todas as pessoas.
    NOsso Handebol vai melhorar...quando nossa mentalidade mudar!
    SOu fã dos nossos jogadores INDOOR, BRUNO SOUZA, VANINI,CHINA ,MIKE, quanto mais esperaremos nossos talentos passarem sem estrutura no BRASIL?
    VAMos Gente EVOLUIR... mas para isso mente aberta!!!

    Wellington Esteves "GULLIVER"

    Evandro Morais

    É Kiko, a coisa está rendendo. Só queria deixar bem claro que em nenhum momento desrespeitei o Profº Guerra Peixe. Ele tem seus méritos por levar o Brasil a ser campeão em todas as competições citadas. Agora nós não podemos dizer que o Handebol de Areia está a mil maravilhas. O que adianta ter tantos títulos se o esporte não está difundido. Se nós analisarmos as equipes que disputam a modalidade, faz tempo que o cenário é o mesmo. Poucas equipes disputam o circuito nacional. Na Paraíba disputaram quatro equipes no masculino e três no feminino, no Rio de Janeiro disputaram seis equipes no masculino e cinco no feminino, no Ceará foram quatro equipes no masculino e seis no feminino e em São Paulo foram seis no masculino e 4 no feminino. O mais estranho é a forma de classificação para a etapa final. Classificam-se o campeão do ano anterior, o campeão de cada etapa, duas equipes por meio de um qualifyng relaizado dois dias antes da etapa final, uma equipe indicada pela CBHb e uma equipe da etapa que tiver mais participantes. Com a forma utilizada, no naipe masculino, se classificaram para a etapa final 5 equipes do Rio de Janeiro, 2 equipes da Paraíba, 2 equipes de São Paulo e uma do Rio Grande do Norte. Já no naipe feminino se classificaram 5 equipes do Rio de Janeiro, 2 equipes da Paraíba, 1 equipe de São Paulo, 1 do Espírito Santo e 1 do Rio Grande do Norte. Se ainda sei fazer contas faltam duas equipes em cada naipe. Foram dez em cada naipe na Etapa Final e não doze como está no Regulamento, assim como foram realizadas quatro etapas classificatórias e não cinco como estava previsto. Portanto Gulliver, as críticas devem ser encaradas como um auxílio para poder melhorar e não como uma afronta.
    Eu realmente não estava nos últimos anos no Handebol de Areia em São Paulo, eu foi afastado, sem nenhuma explicação pelo amigo do Profº Guerra Peixe. E não foi só eu, vários outros que não estavam totalmente favoráveis as práticas administrativas dele também foram excluídos. O que ele esquece é que toda a estrutura que era montada no Campeonato Paulista foi idealizada por mim. Que o Regulamento e os impressos, tais como, fichas de inscrição, carteirinhas entre outros, foi criado por mim. Até mesmo a obrigação de ter um Professor de Educação Física ou Técnico com CREF foi idéia minha, coisa que ele, como professor não dava muita atenção, o que ele queria era receber as inscrições. Se a coisa estivesse mesmo boa aqui, desde aquela época, por quê a Federação Paulista de Handebol colocou mais gente para administrar o Campeonato Paulista junto com ele? As coisas poderiam estar muito melhor, assim talvez você não precisaria jogar em um time da Paraíba, poderia ter jogado por Mongaguá ou São Vicente. Será que nesses times não teria lugar para um jogador da seleção brasileira?

    Um forte abraço Gulliver e obrigado, novamente, Kiko. Nós não podemos parar de dizer o que pensamos, pois só assim o Handebol será discutido.

    Guerra-Peixe

    Ao Senhor Evandro Morais
    Por tudo que sabemos a cerca de sua pessoa, teríamos inúmeras razões para não lhe dar crédito e deixar suas palavras escondidas nos comentários do blog 1000%. Essa é a forma que políticos, bons e ruins, tratam seus antagonistas. Infelizmente, por formação e caráter, não sou de deixar sem resposta leviandades e ataques sem pé nem cabeça.
    Muitas vezes acontece de sofrermos críticas que consideramos injustas, mas, analisando quem as fez, percebemos honestidade, confiabilidade e boa intenção. No seu caso, nada disso é transmitido, pelo contrário, cada vez mais o senhor me parece figura sem expressão e acometido de INVEJA PATOLÓGICA. Para o senhor a resposta é simples e sem muita elaboração.
    Mesmo respondendo ou tentando responder algumas questões, o senhor não sai do lugar comum. Não consegue nada palpável. Fica no nível rasteirinho de acusações sem fundamento e sem conteúdo. Quando o senhor fala de minha interpretação sobre o esporte amador, longe de me prejudicar, é um elogio vindo de onde não esperava. E os motivos poderia elencar. Entretanto, vou ficar no mesmo que citei anteriormente:
    Existem projetos de melhorias, mas sou reticente em achar que vai melhorar tudo para todos. Vivemos num país pobre, com problemas graves em educação e saúde, temos que entender que existem prioridades além dos desportos.
    A única coisa que acrescentaria na frase anterior seria a expressão de uma hora para outra após melhorar tudo para todos. Jornalista Evandro, repare nas expressões país pobre, problemas graves em educação e saúde e prioridades além dos desportos. Certamente sua formação contempla inúmeras disciplinas que dão conta das áreas citadas.
    Quando abordo o Handebol de Areia como amador, não estou baixando a cabeça e concordando que tudo deva ficar do mesmo jeito. Imagino que sua empresa tenha suas prioridades e nem por conta disso seu programa é chinfrim ou com pouco material. Posso te garantir que estamos recebendo tratamento adequado para a realidade da modalidade em âmbito nacional e internacional. Poderia ser melhor? É claro que sim. É característica do ser humano querer sempre mais. Agora, mesmo com toda dificuldade que o senhor acredita existir, ainda somos apontados lá fora como uma equipe que recebe de sua Confederação apoio acima do que recebem outros países. A modalidade está em crescimento, queira ou não o senhor. Os números provam, ou não?
    Ainda sobre esporte amador, posso dizer que nenhuma pergunta daquelas que o senhor fez eu responderia diferente. Falar de minhas possíveis opiniões sobre esporte amador para alunos, atletas, profissionais que recebem minhas palestras e cursos, foi descer muito. Mas o mercado está aí para o senhor perguntar quem é o professor Guerra Peixe. Fique livre para procurar pessoas que pensam como o senhor sugere.
    Onde o senhor vê amadorismo primário e sem visão de futuro, vejo investimento. É possível que não terei acesso ao profissionalismo que virá, pois não sei quando acontecerá. É provável que algum crítico meu vá usufruir disso. Mas era preciso passar por essas e tantas outras ações que já fizemos. Digo e repito, somos muitos investindo no futuro.
    Escuto muita gente falando do volei. Talvez pela distância e o glamour, poucos saibam que aquela geração de vôlei de Renan, Bernard e Cia, bancaram para jogar. Investiram. Poucos ali ganharam o que as pessoas imaginam, mas valeu para futuras gerações. Eles estão aí e é só perguntar.

    Guerra-Peixe

    (Continuação) Uma de suas acusações me deixou perplexo. A modalidade está no bolso do Guerra, Rossana, Stanley e Alex. Atenção técnicos e auxiliares! Se uma modalidade não sai de onde está a culpa é dos senhores. Os senhores não estão saindo para vender o produto. Os senhores deixam o produto no bolso. Vocês têm medo de cobrar do seu presidente para continuarem no cargo. Meu Deus! O cidadão trabalha com esporte amador diariamente é a capaz de escrever isso. O que o senhor tem na cabeça? Quando o senhor escreveu isso estava tenso, nervoso, fora de si? Não mostre essa ideia para ninguém, pois denota total desconhecimento de tudo. Vamos fazer assim: quando o senhor levar algum técnico de algum desporto, abra o programa falando que ele é o maior culpado de tudo estar do jeito que ele vai falar. Pronto. Simplifica o seu programa.
    Você fala de acomodação e conluio para permanecer no cargo e viajar. Que isso senhor Evandro? Onde foi que o senhor ouviu isso? É fácil escrever falando bobagens sem o menor sentido, sem apoio em nada ou situação alguma? Fica parecendo que o senhor é um jornalista de cidade pequena, invejoso dos seus pares. Já falei e vou repetir, só em cabeça medíocre que se concebe a ideia de trabalhar em desporto amador para viajar.
    Não entendo como o senhor conseguiu escrever tanto e, mesmo assim, não dar conta de questões que sugeri que respondesse. Se não vejamos:
    1. Deixei claro que seu problema era local e se chamava Paulo Roberto Martins. Nada? Nem uma linha? O que terá acontecido com a formiguinha trabalhadora? Está com medo que venha a tona sua tentativa de derrubar o então responsável pelo Handebol de Areia de São Paulo, fazendo para isso gestões junto ao Senhor Fábio Lazzari, Presidente da Federação Paulista de Handebol? Está com medo de parecer aos leitores do Blog 1000% uma pessoa que se junta aos tão combatidos presidentes de federações, para derrubar batalhadores de simples joguinhos de areia?
    2. Não falou nada sobre o fato do São Vicente estar em primeiro no Ranking e ter recebido uma força descomunal do mesmo Paulinho. Sabia? Não sabia? Discorda? Concorda?
    3. O Senhor usou a palavra “esquema” e algo sobre dinheiro. Nada? Questionei sobre o tempo de sol e o que o senhor poderia ter sofrido com essa exposição. O senhor pegou nos miolos fritos, mas nem uma palavrinha sobre dinheiro e esquema? Ficou arrependido? Não tinha nada consistente para falar?
    4. E os profissionais que ajudaram a colocar o Brasil no patamar atual e foram dispensados por não concordarem com o esquema? Nada? Nem uma linha pequena? O senhor falou que a coisa ainda não foi esclarecida até hoje (??!!!). Que o senhor não esqueceu. Todos esqueceram, mas o senhor não. Pois bem, em poucos dias, diante de minhas perguntas e questionamentos o senhor já esqueceu. Seria o caso de esquecimento precoce? Estaria o senhor sofrendo, além da já citada patologia outra relacionada ao esquecimento?
    Para finalizar, ficou claro que como o senhor não freqüenta nenhuma das atividades de Handebol de Areia, de São Paulo ou Nacional, o senhor está fazendo o papel de satélite. Está sendo alimentado por alguém com informações e fazendo o papel de bobo da corte. Sugiro que melhore suas fontes ou escute outras opiniões, assim estaria livre de passar por ridículo.
    Kiko peço desculpas por ter que utilizar seu blog para responder a esse senhor, que de nada na modalidade participa, mas demonstra ter opinião formada sobre tudo.

    Ted Boy

    O handebol de areia de São Paulo deve muito ao Paulinho sim, levou a modalidade adiante enfrentando todas as dificuldades, montou e desmontou durante anos quadras e fez de São Paulo um evento diferenciado, isto é fato, ajudou e fez parte da equipe de São Vicente nos anos de 2008 em Aracaju,2009 na Paraíba conseguiu para nós o patrocínio da Metodista que durou até 2010 em Mongaguá ( Onde após afinal e ter sido campeão ficou desmontando a arena) , ajudou-nos com formação da equipe e foi nosso técnico e tenho certeza que dentro do que entende ser o mais correto, ele o fez agradando ou não a todos.
    Não acredito que os representantes do Handebol de areia do Brasil tenham outro objetivo a não ser a evolução do esporte, erros acontecem em eventos e acredito que devem ser comentados, também como acertos.

    Profº Leandro - Ted Boy de São Vicente

    Elton

    Boas

    Venho aqui deixar minhas lamentaçoes,pois joguei a muito tem no time de São Vicente,mas só para relatar,samos esclarecer a tds que vão lê esse depoimento,que jogo na baixada Santista dez de 1989 QDRA,e lembro que os mesmos ataques que as pessoa estão recebendo agora,uma pessoa tambem recebeu esses tb,se o Evandro não lembra essa foi o Marcelo Kiareli tecnico de Praia Grande,aonde muitos atletas de Cubatão e o proprio tecnico iam ver seus treinos,tecnico da região por varios motivo derespeitaram o seu trabalho,falaram mau dele,apenas por inveja que ele consegui ver alem,aonde poucos conseguiram ver,mas samos ao que interessa sobre o que o Evrando diz,gostaria de lembra que eu jogo handebol de areia dez de 1997 eram como qdra aquela epoca,depois de muitos tempo ele foi motivicado como é agora,e não lembro de ninguem da região fazer o que o Paulinho fez para a modalidade,dar uma seguencia a modalidade,aonde começou o trabalho em 2006,e estamos até agora,aonde apareceram atletas da região que encorporaram na seleção que embora eram do time de São Vicente,então obrigado Paulinho pelo que o senhor fez pelo o disporto da região,mas acho eu que conheço muitos da região que eles não gostaram pelo o que ele fez,vou perguntar o que foi feito pelo o esporte aqui na região antes dele?cade os times adultos da região,que tinham daquela epoca?não temos mas.por favor Evandro sem criticas me fale o que aconteceu,já que vc esta fazendo o trabalho de formiguinha a levar o nosso desporto ate São Paulo,sumiu tds pararam?pq não tinham ninguem para fazer um trabalho aqui na região,que eu me lembro quem estava começando um trabalho era o Paulinho tb,eu era até atleta de Praia Grande aquela epoca,pq vc não me pergunta aonde eu estou jogando...Agora e facil criticar de fora,vc não esta dentro,e como muitos velhos da região que não faz nada para o esporte crecer,a é faz sim,boicotar o que os outros fazem muito bem isso sim os velhos daqui da região faz,pq que eu me lembro em 2007 no nosso campeonato paulista de beach tinhamos umas 8 equipe da região,e vc estava apitando aquela epoca,que eu me lembro vc era até o responsavel dos arbritros,não é,depois que vcs mexeram os pauzinhos alguns times cairam foram do campeonato,e isso que vc fala de trabalho,somente por ego,por esta fora,o senhor fica metendo pau no trabalho dos outros,só para lembra,eu acho que o Paulinho vai fazer o campeonato paulista de areia esse ano sera que vc vai fazer o seu trabalho de formiguinha para ser um sucesso esse campeonato,pq se vc ama tanto o desporto o senho vai ajudar...Olha muitos não gostam de mim mas eu conheço cada um de vcs da região,e o esporte da região esta assim porque cada um de vcs e pior que os outros,agora precisou alguem de fora para fazer algo,e vcs falam mal.e não esta melhor porque vcs não deixam,e graças a Deus que esta chegando gentecom sangue novo ai para melhora o esporte da região,se vcs deixarem e claro;O Danilo e o cara do momento da qdra e o Paulinho queira ou não,ele e o cara da areia;E só para lembra o não sou atleta de São Vicente e o Evandro não tem nada a ver com o time de São Vicente,me descupe prof Guerra não associe ele aos atletas de São Vicente,pq nunca de nós vamos falar mal do esporte da região,ou de alguem que trabalha serio.


    ASS: ELTON 05

    Evandro Morais

    Kiko, eu demorei para escrever pois estava pensando como responder ao que foi escrito pelo Profº Guerra Peixe. Depois de muito pensar vejo que o ataque dirigido a mim tem como objetivo desviar as atenções sobre o Handebol de Areia na Confederação e provover o amigo dele, aqui de São Paulo, que está sondando os dois candidatos a presidencia da FPH para voltar a comandar a modalidade em meu estado.
    Não vou responder as ofenças dirigidas a mim para que o assunto principal, que é o Handebol de Areia brasileiro, seja discutido com pelo menos educação.
    Já foi dito que investimentos estão sendo feitos. Quais são os investimentos? Quais as medidas que vão ser tomadas, a curto prazo, para o desenvolvimento da modalidade? A forma de disputa do Circuito brasileiro é a mais justa? Porque não temos equipes do sul do Brasil, já que árbitros de lá nós temos e que por exemplo no Paraná a modalidade é praticada a muito tempo? Porque equipes podem participar das Etapas Regionais, mesmo já tendo participado das Etapas anteriores. Quais foram as equipes classificadas no qualifyng, se é que foram realizados? Por que a quinta etapa classificatória não foi realizada se a confederação investe na modalidade? Quantas vezes foram feitas palestras ou reuniões em estados não litorâneos para divulgar a modalidade? Por quê no Itajaí Cup e na cidade de Santos o Handebol de Areia é praticado nas categorias de base, ou escolares, e na Confederação só se organiza campeonatos adultos? Qual é o investimento financeiro da Confederação nas etapas classificatórias e na etapa final do Circuito Brasileiro de Handebol de Areia?
    Ora, ora, ora. Vamos mudar o discurso e vamos ser mais objetivos. O Handebol de Areia brasileiro está vinculado a 5 ou 6 pessoas desde o seu início. Mostre o planejamento da Confederação dentro de 1 hora após este texto ser publicado que começo a acreditar em investimento. Se demorar mais que isso possivelmente será elaborado para calar a boca do jornalista com inveja patológica, medíocre e de cidade pequena.
    Faça-me um favor!

    Kiko Andrade

    Guerra Peixe e Evandro, o embate entre vocês é justo, mas a partir do momento que vocês começam a se ofenderem e usarem a área de comentários pra isso, aí eu vou precisar moderar os comentários de vocês. Um já falou o que quis pro outro e eu deixei passar devido ao direto de réplica e tréplica. Como o Evandro não resolveu não continuar, a parte das ofensas e acusações acaba por aqui, tudo bem?

    O Evandro levantou uma série de questionamentos pertinentes. Espero que alguém da confederação venha aqui responder, apesar de eu achar muito difícil...

    Tulio

    Kiko vc se esquece q guerra Peixe é da Confederação, nem ele consegue esconder, então a CBHb já deu as respostas, embora não exatamente o q gostariamos de ouvir

    Elton

    Boas,
    Não sou da confederação mas venho acompanhando o debate,e vou tentar esclarecer alguns pontos de vista,colocado pelo o Evandro,1.A forma de disputa da final do brasileiro e a melhor opção que vejo,são disputadas 5 etapas de cada região do brasil,assim só os campeões consegui seguir para final,com isso faltam 5 times que foi feito outra etapa(qualifyng);porque 5 time e não 2 como foi falado no inicio das etapas do brasileiro?A etapa do Sul não foi feita por simples fato de não ter equipe disponivel para o campeonato nos dois naipes,só tinham confirmado 2 equipes do suldeste no naipe feminino,com isso foi cancelada,com isso a vaga foi para o (qualifyng),abriu mas uma vaga com a desistencia do time da Confederação,e mas uma com o time que estava sediando o campeonato(Espirito Santo),com isso o que era 2 virou 5 vagas,que foi disputada por 7 equipes,(Rio HandBeach,Niteroi,Gremio fiesp,Chopp Areia,Copm, time do Espirito Santo e outro de Campinas,os time que não conseguiram a classificação foi o de Campinas e do Espirito Santo,assim formando as ultimas vaga para a final,que por sinal foi muito disputadas,até a final,estão esclarecidas as duvidas sobre esse assunto,para mim o(qualifyng)foi feita para ficar mas disputadas as etapas do brasileiro,assim ficando só realmente os melhores,aumento o nivel do campeonato.Agora sobre o assunto dos campeonatos de base,se eu me lembro e vc tambem no inicio do ciclo do campeonato paulista,deve o campeonato de base nos dois naipes,mas com o tempo algumas equipes ficaram de fora,deixando o mesmo fraco para dar continuidade,por isso que não tem o mesmo ficando só o adulto,agora me explica uma coisa,aonde deve campeonato de handebol de areia na categoria de base aqui na baixada?não me lembro!!!!Se o handebol de areia esta vinculado em 5 e 6 pessoa até hoje e esta tanto certo ok,só para lembrar nós somos campões do mundo e estamos no topo do rankim,e que vc quer estar entre os 5 e 6 tambem,que pena que vc não está,quem sabe vc não faz um campeonato esse ano de handebol de areia....e facil criticar de fora.....

    Evandro Morais

    Elton, o que você escreveu só confirma o que eu tenho dito. O handebol de Areia só é praticado com algum destaque nas regiões em que se tem um membro da comissão técnica da seleção. A única região que tem um destaque maior é no nordeste, onde mais de um estado participa do Circuito Brasileiro. No Estado do Paraná em 2010, por exemplo, a competição de Handebol de Areia teve 8 equipes no feminino e 9 equipes no masculino. Por quê será que essas equipes não tiveram o interesse de se inscrever no Circuito Brasileiro?
    Em São Paulo as únicas equipes que estão desde o começo são as de São Vicente, lideradas pelo Adilson e pelo Leandro, e a de Mongaguá, comandada pela Eliane. Será que o apoio à modalidade foi dado realmente como deveria ser dado?
    Em Santos, no campeonato escolar, existia a competição de handebol de areia. Na última edição que participei como árbitro, se eu não me engano haviam 15 equipes no masculino e 12 no feminino. Eu queria deixar bem claro que eu não faço parte de nenhuma atividade esportiva ligada ao handebol ou a outra modalidade há 3 anos e, para falar a verdade, não tenho mais vontade de participar. O handebol fez parte da minha vida por 28 anos. Fui atleta, árbitro e dirigente. Hoje tenho outras prioridades, mas continuo acompanhando o handebol, o esporte que ajudou na minha formação e que me trouxe muitos amigos.

    Elton

    Olha que eu sei sobre a região do paraná,e que eles nunca se interessaram pelo o campeonato brasileiro,eu estive em foz de iguaçu a trabalho em final de ano,aonde eles se organição o campeonato,só que o campeonato deles são diferentes da realidades do handebol de areia,uma forma diferente de se jogar no campeonato e classificação tb,meio fechado,acredito tambem que o custo de transporte deixam eles em cheque tambem,por isso que todo o SUL não participa do brasileiro,e não é porque as pessoas que estão atraz da organização(confederação)do handebol de areia não tenha contato com a liga deles ou confederacão do parana ou não estejam interessados que participem,e igual a liga de qdra pq muitos times não participam do campeonato?pq se torna caro,hoje o handebol em seu todo não tem dinheiro para se manter,precisamos fazer igual ao basquete e ao voley,se juntar com um canal aberto de televisão,para os patrocinadores apareção e aumente o conhecimento do disporto no brasil,o handebol de areia mesmo,e um otimo produto para ser vendido para a televisão,não ocupa muito tempo numa grana da TV,são dois sets com 10minutos cada,e que pode ate durar com o intervalo 30 minutos,e o jogos e legal para ver,e uma emoção a todo tempo.

    Kiko Andrade

    Essa foi uma das coisas que foi discutida na Assembléia Geral da CBHb nesse último final de semana: como desenvolver o handebol de praia para que ele seja um produto comercial. Demorou muito para a confederação começar a agir nesse sentido...

    Kiko Andrade

    õE outra, teve uma época que a Band transmitia as rodadas da Superliga ou do Paulista, não me lembro, aos sábados 10 horas da noite! Mas era TV aberta, não importa, não é mesmo? Os patrocinadores tiveram o retorno que queriam e o vôlei pode ser visto na TV por bastante gente...

    Anônimo

    Bom, conheço bem o Handebol de São Paulo e do Brasil, e mais tarde poderei me apresentar e colaborar com informações e também novas idéias.
    Mas, no momento, gostaria somente de auxiliar o Jornalista Sr. Evandro com uma informação contrária a que ele tem em relação a tentativa do Sr. Paulo Roberto Martins em se aproximar das chapas que concorreriam a Federação Paulista, ele já havia sido convidado a fazer parte deste grupo e faz parte da chapa que acabou ganhando a eleição.
    Não estou aqui para defende-lo e sim lembrar que seu curriculo na modalidade é bastante abrangente.
    Melhoras a todos e ao nosso Handebol

    Osy

    Condorco plenamente com tudo... joguei handebol dos 14 aos 22 anos... fui treinador de equipes escolares... e hoje trabalho com outra área... infelizmente... mas sou um amante da modalidade... leio sobre tudo... assisto tudo... (quando é transmitido)... e realmente é uma vergonha... Eu enviei um e-mail para a confederação questionando o porque o site wwww.mundodohandebol.com.br é mais completo que o próprio site da da Confederação Brasileira... e nada... nunca fui respondido... ou seja... deixei o site da CBHb de lado e hoje uso do MundoDoHandebol... fiquei muito feliz na época que conseguimos o patrocínio da Petrobras... eu pensei agora o handebol do Brasil evolui... e aí... perdemos o patrocínio e continuamos na mesma... na mesma não... regredimos...

    Édy

    Só queria fazer um comentário, sobre o handebol.
    De todos esses anos que a confederação teve este patrocinio, deveria ter organizado Subsedes nas 5 regiões do Brasil, feito campeonatos de todas as categorias nas mesmas e feito seleções e aí teria pelo menos 5 seleções no país, hoje a seleção virou politicagem/ grilagem de atletas, como pode atletas que nem disputam o liga que é vitrine para a seleção serem convocados, só por causa da bolsa atleta.
    O handebol anda de ré, e a grande competição do ano vai ser o campeonato brasileiro da 1ª divisão, como nós teriamos mais divisão.
    Só sei que os jogos mais disputados em termos de estado é em Santa Catarina.

    Deixe a sua opinião e contribua para o alto nível do debate!

     
    Copyright (c) 2010 Blogger templates modificado por Kiko Andrade
    1000% é melhor visualizado utilizando : Mozzila Firefox